Sporting sofre sem necessidade, diante um Estoril muito focado em roubar pontos aos leões

Um final de tarde com um Alvalade XXI repleto para assistir ao encontro entre o Sporting e o Estoril Praia. Os leões venceram pela vantagem mínima (2-1), acabando por terminar o jogo em sofrimento sem necessidade alguma.

O Sporting fez uma entrada de leão dando ao jogo, um único sentido, rumo á baliza de Moreira.

Decorria o minuto 4 e Fábio Coentrão a subir pela esquerda, assiste Acuña que cruza rasteiro para o segundo poste e Gelson aparece para encostar para o primeiro golo do encontro. Nos momentos seguintes ao golo, os leões voltaram a ameaçar a baliza estorilista com Gelson a cruzar para Bas Dost que, ficou a centímetros de ampliar a vantagem leonina.

O conjunto de Pedro Emanuel estava impotente para contrariar um inicio do sporting fulgorante com os homens da casa a subirem em bloco e a colocarem muita gente no sector ofensivo. Os pupilos de Jorge Jesus, cedo queriam resolver a partida e o medio Bruno Fernandes, deu mais uma alegria aos sportinguistas com um livre a uns bons trinta metros da baliza de Moreira a fazer levantar o estádio, com a bola entrar junto ao angulo, sem hipóteses para Moreira. O miúdo fez mais um golo fenomenal….

Alvalade galvanizava-se e no pensamento, imperava a goleada, mas os leões, após o segundo golo, entraram em contenção, limitando-se a gerir o encontro, reduzindo significativamente o ritmo, permitindo aos canarinhos, mais posse de bola e proporcionando a estes, ensaiar os primeiros lances de ataque.

Os canarinhos ainda conquistaram alguns pontapés de cantos, mas com um futebol demasiado previsível, raramente conseguiram incomodar a defesa leonina. Apenas uma exceção aos 24’ na sequência de um pontapé de canto na direita, em que Kléber desviou de cabeça junto ao primeiro poste, mas Monteiro com hipótese de reduzir a vantagem leonina, não chegou a tempo de facturar.

A fechar a primeira parte, mais duas oportunidades para o Sporting, primeiro num remate de Coates, na conclusão de um bom lance entre Gelson e Battaglia, depois num cruzamento de Acuña em que Moreira ainda conseguiu desviar da cabeça de Bas Dost, mas colocou-a na cabeça de Gelson que acabara por rematar por cima.

Na entrada para o segundo tempo, Pedro Emanuel faz duas alterações de uma assentada (saem Mano e Gustavo Tocantins para lançar Aguillar e Joel), com o intuito de dar mais frescura atacante, no entanto, pouco mudou na dinâmica estorilista.

O ritmo continuou baixo, com o Sporting a controlar. O Estoril bem tentou levar o jogo para junto da baliza de Patrício, mas sem sucesso. O Sporting recuperava facilmente a bola e quando acelerava criava perigo, mas sem pressão, mais à espera que os erros do Estoril permitissem novas ocasiões, que propriamente criar a iniciativa na construção de jogo.

Jorge Jesus tentava dar mais dinâmica à equipa e faz duas alterações, aos 61′ sai Coentrão visivelmente em esforço físico para dar lugar a Bruno César e aos 67′ sai Alan Ruiz ainda sem ritmo para entrar Petrovic. Pedro Emanuel responde tirando Duarte Gouveia, lançando Pepe.

Gelson voltou a estar perto de marcar, Battaglia, de cabeça, também, mas era Matihieu que empolgava os adeptos leoninos, com constantes recuperações, aparecendo muitas vezes no apoio ofensivo.

O jogo encaminhava-se para o fim, quando um alívio inofensivo de Piccini permitiu a Lucas Evangelista encher o pé e de fora da área, faz o primeiro para os canarinho. O golo do médio brasileiro, gelou Alvalade, fazendo temer o pior….

O leão sacudiu a juba e voltou a afiar as garras estando mais que uma vez, perto de dilatar a vantagem. Primeiro numa iniciativa individual de Acuña, depois num pontapé de Bas Dost da zona de grande penalidade para uma grande defesa de Moreira.

O argentino sai no inicio do período de descontos depois de ter proporcionado mais um bom jogo, para dar lugar a Iuri Medeiros.

O tempo de compensação seria pródigo em emoção. O goleador holandês Bas Dost, fazia o terceiro golo que acabara por ser anulado, uma vez, que o fiscal de linha considerou fora de jogo de Piccini.

Quando todos se limitavam a aguardar pelo apito final, sai nova pedra de gelo…. Na sequência de um livre, Pedro Monteiro bateu Patrício com um remate cruzado. No entanto, a festa da equipa de Pedro Emanuel, sofrera um revés porque no recurso ao vídeo-árbitro, o golo fora anulado com a justificação de posição irregular do central canarinho.

O apito suava, o leão respirava de alivio e conquistava assim, a quarta vitória na Liga.

Guilherme Freire Coelho

Alfacinha apaixonado pela vida e por futebol. Defendo-o como desporto, respeito-o pela vertente social e admiro-o como espectáculo. A bola, é mero instrumento para os "artistas" brilharem. Não escrevo sobre bola mas sim, sobre Futebol, sempre de forma transparente, com fair-play e....sem respeito pelo acordo ortográfico.....

Deixe uma resposta