José Enrique e o adeus à carreira: “Quero ser um velho que consiga andar e não um inválido”

Foi uma carreira estável até ao dia em que uma lesão mudou tudo. O espanhol José Enrique decidiu anunciar o fim da carreira, aos 31 anos, depois de passagens por emblemas como o Celta, Villarreal, Newcastle e Liverpool.

O defesa esquerdo regressou a Espanha na época passada e tinha mais um ano de contrato com o Zaragoza, mas decidiu pendurar as chuteiras ao fim de vários anos de problemas físicos e até mentais.

“Quero conseguir andar quando tiver 45/50 anos. Quero ser um velho que consiga andar e não um inválido”, afirmou em entrevista ao jornal Marca.
José Enrique fez questão de recordar alguns maus momentos da carreira que passou após a lesão no joelho direito.  “Não podia jogar, nem sequer treinar, sem estar medicado. Foi duro, desesperante, e às vezes ficava maldisposto de tantos medicamentos. Depois de cada jogo o joelho inchava como uma bola e ficava três dias quase sem andar.”
“A mim doía-me, mas, como me disseram tantas vezes que era um problema psicológico, cheguei a acreditar que era algo mental”.

Depois do calvário foi operado, mas nunca mais voltou a ter força na perna direita: “Nunca mais fui o mesmo, foi frustrante. Tinha estado três meses a jogar com o menisco roto.”
“Tive de fugir para Espanha, porque nem andar conseguia. Não podia jogar e comecei a bater mal. Fiquei muito afetado porque queria e não conseguia. Nos treinos até tinha ataques de ansiedade”, referiu.

Depois de um ano terrível no Liverpool em que treinava com a equipa principal, mas jogava na B, José Enrique voltou a Espanha, onde alinhou pelo Zaragoza. Disputou 27 jogos (quase todos como central) e marcou um golo. Agora decidiu terminar a carreira, para evitar um futuro de sofrimento.

O defesa espanhol não deixará o futebol, devendo ficar ligado ao agenciamento de jogadores ao lado do irmão Salvador.

Ricardo Rocha Cruz

Confiante, resolvido consigo mesmo e ousado. Prazer, chamo-me Ricardo Cruz. Bem-vindos ao meu novo projeto. 

Deixe uma resposta