CD Aves: Futuro melhor que o passado?

Na Vila das Aves já não se sentia o sabor da subida ao escalão principal desde de 2006, época em que o Desportivo das Aves garantia a subida à primeira divisão. Na época seguinte não conseguiram evitar a despromoção, ficando mesmo em último lugar, descendo assim em 2007, novamente para a segunda liga portuguesa. Passaram-se 10 anos até o Aves conseguir novamente este feito. Para trás ficam estes anos não tão bons, com momentos difíceis que serviram para que se olhasse para o futuro de forma diferente, com a necessidade que existisse uma mudança, com o objetivo de melhorar e regressar ao convívio entre os grandes, agora alcançado em 2017, com a subida para a Liga NOS, após alcançar o 2º lugar, ficando a 2 pontos do campeão Portimonense.

Prova da mudança que se planeou na Vila das Aves, é o investimento e a forma como a equipa orientada por Ricardo Soares em conjunto com a SAD do Desportivo das Aves se reforçou para esta temporada. O Aves contabilizou mais de 20 reforços e de facto, o futuro promete e muito!

Ricardo Soares, que teve uma experiência que não correu muito bem pelas terras de Chaves, tem todos os ingredientes para que o Aves nos mostre um futebol perfumado com aspirações claras na luta pela manutenção e para fazer um campeonato tranquilo. O modelo de jogo, o entrosamento e a química entre jogadores, é algo que leva o seu tempo a assimilar, mas este tem bem ciente que poucos na situação dele, tiveram o privilégio de construção e aposta que este teve, junto dos Avenses.

Para a temporada 17/18 na Liga NOS, muitas foram as alterações nos Avenses:

Entradas: Adriano Facchini (ex-Nacional), Vítor Gomes (ex-Belenenses), Gonçalo Santos (ex-Dinamo Zagreb), Washington (ex-Nacional), Nildo Petrolina (ex-Moreirense), Nélson Lenho (ex-Desportivo de Chaves), Federico Falcone (ex-Terengganu FA), Diego Galo (ex-Moreirense), Braga (ex-Desportivo de Chaves), Cristián Arango (SL Benfica empréstimo), Carlos Ponck (SL Benfica empréstimo), Rodrigo Soares (ex-FC Porto), Pedrinho (ex-Rio Ave), Sami (ex-FC Porto), Rodrigo Defendi (ex-Maribor), Salvador Agra (SL Benfica empréstimo), Mama Baldé (Sporting CP empréstimo), Amilton (ex-Portimonense), Ryan Gauld (Sporting CP empréstimo), Derley (ex-SL Benfica), Luis Fariña (ex-SL Benfica), Paulo Machado (ex-Dinamo Zagreb)

Saídas: Bruno Alves (Arouca), Romaric (União da Madeira), Xandão (UD Oliveirense), Balogun (Belenenses), Ericson (Arouca), Zé Tiago (Académica), João Amorim (Arouca), Tiago Valente (Varzim), Luís Barry (Ac.Viseu), Yaya Bamba (Nacional empréstimo), Renato Reis (Sp.Covilhã empréstimo), Nélson Pedroso (Académica), João Pedro (Santa Clara), Tarcísio (Ac.Viseu), Leandro Souza (União de Leiria), Rafa Alves (Vizela), Zé Valente (Vizela), Caetano (Penafiel), Théo Mendy (Adana Demirspor), Luís Alberto (Ac.Viseu)

Com as alterações, anteriormente referidas, fica evidenciado que soluções é o que não falta aos avenses. Olhando em redor e analisando toda a matéria prima que Ricardo Soares tem a disposição, a baliza que deve ser ocupada por Adriano Facchini, que terá sempre na sombra, o experiente Quim, que após uma carreira ao mais alto nível, títulos e passagens pela selecção nacional, foi peça importante para o Desportivo das Aves, voltar ao convívio entre os grandes. Como terceira opção ainda existe Marco Pinto.

Na defesa, Rodrigo Soares, que já trabalhou com o atual treinador do Aves, parte à frente, no flanco direito, tendo sempre a concorrência de Pedrinho e de Mama Baldé, sendo que este pode jogar também como extremo. No eixo da defesa, Carlos Ponck e Diego Galo tem sido os preferidos do mister, mas Rodrigo Defendi terá uma palavra a dizer quanto a este setor. Nélson Lenho será a aposta segura para a lateral esquerda da defesa.

A maior dor de cabeça para o treinador começa precisamente no centro do terreno, sendo o meio campo onde existe a maior competitividade e inúmeras opções. Parece que Cláudio Falcão será a aposta para as funções mais recuadas do clube da Vila das Aves, sendo que existirá uma rotatividade entre WashingtonVítor Gomes devido à qualidade de ambos.

Para o meio campo mais ofensivo do Desportivo de Aves, Ricardo Soares tem como opções, Gonçalo Santos que regressa a Portugal com a enorme garra a que nos habitou e que justificou na altura, a sua saída para o estrangeiro e Paulo Machado, acabado de chegar e que será certamente, uma das estrelas da equipa. Todas as apostas do técnico do Aves serão sempre bem disputadas pois existem jogadores como Luís Fariña, que apesar de ter estado ligado ao Benfica, nunca mostrou o seu futebol; Braga, que carrega às suas costas o exemplo da maturidade que será precisa ao longo do campeonato.

Nos corredores do ataque dos Avenses, Ryan Gauld, que procura de uma vez por todas explodir e mostrar o seu real valor e talento, e Salvador Agra com a sua velocidade e imprevisibilidade, deverão ser as apostas. As alternativas serão sempre várias como SamiNildo Petrolina Amilton que não vão dar descanso na luta por um lugar nas alas,

Para homem golo Ricardo Soares tem utilizado Derley e Alexandre Guedes, sendo que as chegadas de Cristián Arango e Federico Falcone serão mais valias e ótimas soluções na frente para sua equipa.

Diversidade de opções

Certamente serão muito poucas mesmo as equipas na Liga NOS que apresentem esta diversidade de opções aliando-se a qualidade de cada uma delas. Nomes como Adriano Facchini, Carlos Ponck, Salvador Agra, Paulo Machado, Gonçalo Santos, Braga, Derley, Sami são de indiscutível talento, juntar todas estas peças para completar a beleza de um puzzle, dependerá de como o representante da turma da Vila das Aves, o técnico Ricardo Soares, as encaixar umas nas outras, de forma a alcançar os objetivos do clube.

Pedro Martins

Da Margem Sul para o mundo do desporto, toda a minha paixão pelo desporto. Compreender todos os fatores a nível pessoal, emocional, estatístico e realístico no mundo desportivo ao qual partilhamos com todos que nos rodeiam. Porque uma boa escrita no desporto, será sempre o caminho certo para a excelência.

Deixe uma resposta