Um Porto eficaz, derrotou um Chaves combativo que não merecia um resultado tão dilatado (vídeo)

Em jogo a contar para a 5ª jornada da Liga NOS, o FC Porto recebeu ontem à noite, o GD Chaves, impondo aos visitantes, uma derrota por três bolas sem resposta. Com esta vitória, os dragões atingem o topo da tabela classificativa a par dos leões com a diferença entre golos marcados e sofridos, a proporcionar ao clube da cidade invicta, ficar na frente da classificação. Recorde-se que Iker Casillas, ainda não viu qualquer bola, transpor a linha de fundo da baliza defendida por si.

O inicio de jogo, mostrou um Porto mais pressionante. Ainda assim, os lances ofensivos dos dragões não eram suficientemente perigosos para amedrontar a baliza de Ricardo. Por seu turno, o GD Chaves, sentia grande dificuldade na construção de jogo, ficando “refém” do contra-ataque, aquando da perda de bola dos dragões, os homens de Luis Castro, jogavam mais no erro do adversário, que na sua construção ofensiva. 

Brahimi e Marega, foram os jogadores mais inconformados dos azuis e brancos e dos pés destes, saíram os lances mais perigosos do primeiro tempo.

No regresso para os derradeiros 45 minutos, Sérgio Conceição inicia o segunda metade, com uma alteração aos 46′ (saia Corona; entrava Soares).

Pouco tempo depois da alteração, Aboubakar trabalha bem diante a defesa flaviense e com um remate forte, coloca a bola no fundo das redes de Ricardo, lucrando de um ligeiro desvio do defesa, antes de a bola entrar. O camaronês apontava o seu 5.º golo na Liga NOS 2017/18.

Reveja os três golos do FC Porto frente ao GD Chaves

 

Apesar do golo sofrido, os pupilos  de Luís Castro, não desanimaram e de cabeça erguida, mantiveram o foco no golo. O mister mexe no banco e os 64′, opera uma dupla substituição (saiam Bressan e Perdigão;  entravam Tiago Galvão e Hamdou El Houni), que vieram dar, mais intensidade aos transmontanos. William a vinte minutos dos noventa, tem nos pés, a melhor oportunidade de golo para os flavienses, ao receber um cruzamento pela direita e frente a Casillas não teve a eficácia de finalização que se exigia.

O jogo ia mostrando equilíbrio entre os dois conjuntos sendo que, os portistas iam gerindo e os flavienses corriam atrás do prejuízo.

Luís Castro, apostava tudo para conquistar o golo que lhe pudesse fazer sonhar, com a divisão de pontos e a dez minutos do fim da partida, coloca o extremo Jorginho que rendia Djavan. Teimosamente a sorte e eficácia, não queriam nada com os flavienses e Galvão, desperdiçara outra oportunidade soberana, que merecia melhor desfecho.

Sérgio Conceção ia gerindo recursos e aos 83´refresca o meio campo, fazendo sair Brahimi para entrar Andre Andre, dando a entender, que ia segurar o pendor ofensivo do Chaves, com linhas altas a meio campo. 

No entanto, a palavra eficácia encaixava na perfeição na táctica dos dragões, que aos 86′ viriam a beneficiar de um pontapé de penalti bem assinalado. No seguimento de um cabeceamento de Soares, a bola encontra o braço do central flaviense Maras que corta a bola desviando o rumo da mesma. Seria o regressado Soares a cobrar a grande penalidade com o gritar de golo, a ficar pendente do êxito da recarga do avançado brasileiro, após a primeira defesa de Ricardo. Tiquinho Soares, fez o primeiro da sua contagem pessoal na Liga 2017/2018.

Com os adeptos ainda em modo festejo e Marega fechava o marcador, com o terceiro dos dragões, aproveitando um bloco defensivo dos flavienses, já em modo de descompensação..

Assistimos a um jogo, em que o marcador transmite uma goleada mas que fez os homens da casa, soarem bastante, para conquistarem os três pontos.

Luís Castro não tem tido um inicio de campeonato fácil, mas face ao futebol que vem demonstrando, sairá da actual posição que ocupa na tabela classificativa, com naturalidade. O potencial está lá.

Nota para o guardião espanhol Iker Casillas, que leva 450 minutos no decorrer do campeonato sem que, tenha sofrido qualquer golo. Os dragões tem treze golos marcados, mantendo a baliza intacta em entrada de bolas…..

Guilherme Freire Coelho

Alfacinha apaixonado pela vida e por futebol. Defendo-o como desporto, respeito-o pela vertente social e admiro-o como espectáculo. A bola, é mero instrumento para os "artistas" brilharem. Não escrevo sobre bola mas sim, sobre Futebol, sempre de forma transparente, com fair-play e....sem respeito pelo acordo ortográfico.....

Deixe uma resposta