Taça de Portugal: Vilaverdense recebe a insígnia de tomba gigante

O Boavista viajou até Vila Verde para defrontar os locais. O Campo Cruz de Reguengos, recebeu pela primeira vez, um emblema primodivisionário. A equipa do Bessa trouxe do Minho, uma derrota por uma bola sem resposta e consequentemente, a eliminação da Taça de Portugal.

Depois de suar o apito final, os ânimos exaltaram-se na bancada afecta à equipa da cidade invicta e foram várias pedras arremessadas e demais cenas, que em nada enaltecem o Desporto e o futebol em particular.

Jorge Simão apresentou um onze idêntico ao que utiliza na Liga NOS e viu o seu conjunto entrar melhor, ocupando o terreno com elevada supremacia ofensiva.

Os homens da casa, não tinham a pressão do seu lado, limitaram-se a disfrutar do ambiente e tentar aproveitar a montra da Taça de Portugal, para mostrarem o seu talento individual. Os pupilos de António Barbosa estiveram muito coesos e solidários, com uma entrega ímpar, evitando que o Boavista conseguisse finalizar os lances de perigo que ia criando. Após algum sufoco inicial imposto pelo visitantes, o conjunto verde, ia mostrando a sua valia e mais destemidos, faziam as suas transições ofensivas, de forma mais rotinada.

Decorria o período de descontos da primeira parte e os minhotos inauguravam o marcador. Num livre lateral  de Ahmed que colocou a bola para as costas da defesa, no limbo entre o raio de ação da defesa e de Vagner, sem ninguém dos axadrezados para salvar….apareceu o defesa Rafael Vieira que se limitou a encostar ao segundo poste, fazendo assim o Vilaverdense acreditar que seria possível..

Os homens da casa foram para o intervalo com o sonho na mente, enquanto nas hostes lideradas por Jorge Simão, o semblante era carregado.

No regresso ao tapete verde, os forasteiros entraram de molde a resolver rápido o resultado desfavorável mas do outro lado, imperava um conjunto com espirito de sacrifício e com muita solidariedade entre jogadores, com muito apoio entre posições.

Os visitados agastados fisicamente, aguentaram como poderam e assim que suou o apito final, assinaram uma bonita página na história do clube de Vila Verde, marcando presença pela primeira vez, na 4ª eliminatória da Taça de Portugal.

Guilherme Freire Coelho

Alfacinha apaixonado pela vida e por futebol. Defendo-o como desporto, respeito-o pela vertente social e admiro-o como espectáculo. A bola, é mero instrumento para os "artistas" brilharem. Não escrevo sobre bola mas sim, sobre Futebol, sempre de forma transparente, com fair-play e....sem respeito pelo acordo ortográfico.....

Deixe uma resposta