Liga NOS : O onze da jornada

A Liga NOS regressou na passada sexta-feira à noite, após a pausa para os compromissos internacionais e os jogos da Taça de Portugal, com o Boavista a ir a casa do Estoril vencer por três bolas a zero. A jornada 9 continuou no sábado, com o Feirense 1:0 Rio Ave, o Vitória Setúbal 3:1 Marítimo e o Porto 6:1 Paços de Ferreira. No domingo, o Tondela recebeu e venceu o Belenenses por 2-0, numa semana, marcada pela polémica relativa ao pedido de adiamento do jogo, por parte dos beirões, que foi recusado pela SAD do Belenenses, motivando o corte de relações entre as duas instituições, o Benfica foi a Vila das Aves vencer por 3-1, e o Sporting goleou o Chaves em Alvalade por 5-1. Na segunda-feira jogou-se o Moreirense vs Braga, que terminou com a vitória dos comandados de Abel Ferreira por 1-0, e o Vitória de Guimarães vs Portimonense, que encerrou a jornada, com um emocionante 3-3.

Numa jornada repleta de golos e de boas exibições, o AMBIDESTRO vai então apresentar-lhe a equipa da semana, convidando-o a deixar também o seu onze nos comentários.

Quim – Desportivo das Aves

 

Com quase 42 anos, Quim tornou-se, no jogo frente ao Benfica, equipa pela qual foi duas vezes campeão nacional, o jogador mais velho a actuar na Primeira Liga Portuguesa, e para o celebrar, o guardião presenteou os adeptos presentes na Vila das Aves com uma exibição de encher o olho. Liderou a defesa, mostrou sempre segurança e foi mantendo o Aves no jogo, com um punhado de grandes defesas, num jogo que apenas fica manchado pela derrota da sua equipa. Um exemplo a seguir.

Ricardo Pereira – FC Porto

 

Regressou ao Dragão esta temporada, depois de dois anos de empréstimo no Nice de França, e rapidamente se assumiu como dono e senhor da posição de lateral-direito, relegando para o banco Maxi Pereira. Na partida frente ao Paços de Ferreira, Ricardo Pereira esteve muito seguro defensivamente, e fez uso da sua velocidade e capacidade técnica, para fazer estragos na defensiva dos castores.  Ajudou muitas vezes no ataque e em três dessas incursões marcou um golo e assistiu para outros dois. Vida difícil para Maxi Pereira.

 

Felipe – FC Porto

Desde que chegou à cidade Invicta, Felipe assumiu-se como o patrão da defensiva portista, e são exibições como a do passado sábado que explicam facilmente o porquê. O jogador brasileiro mostrou a segurança a que nos tem habituado, ganhando quase todos os duelos aéreos, dobrando os laterais sempre que teve que o fazer, e travando qualquer tipo de atrevimento da equipa do Paços de Ferreira logo à partida. Numa das suas subidas à área o defesa fez o segundo golo do FC Porto, assistido precisamente por Ricardo Pereira. Um muro.

Raúl Silva – Sporting Braga 

O central goleador, como é conhecido em Portugal, desta vez ficou em branco, mas nem por isso deixa de merecer um lugar neste onze. O ex-Marítimo tem sido crucial na equipa do Braga, e na partida frente ao Moreirense voltou a sê-lo, revelando um grande acerto defensivo, que se traduziu em 11 acções defensivas, repartidas por três desarmes, cinco intercepções e três alívios, e uma pontuação de 6,7 segundo o GoalPoint.

Alex Telles – FC Porto

Mais um jogador do FC Porto no onze AMBIDESTRO, sendo novamente um membro do sector mais recuado da equipa azul e branca. No jogo frente ao Paços de Ferreira, Alex Telles revelou-se igual a si próprio, destacando-se pelo seu contributo ofensivo, num jogo em que pouco teve que defender. As suas incursões no ataque criaram bastantes desequilíbrios na defensiva do Paços, tendo por diversas vezes ameaçado a baliza de Mário Felgueiras, com passes e cruzamentos perigosos, que por pouco não resultaram em golo.

Hélder Tavares – Tondela 

 

Depois de uma semana atípica, marcada pelos incêndios que devastaram a zona de Tondela, obrigando o plantel a treinar nos balneários e nos corredores do seu estádio, e de toda a polémica com o Belenenses, a equipa beirã respondeu em campo às adversidades, e conquistou os 3 pontos, vencendo por duas bolas a zero. Hélder Tavares foi o homem do jogo, coroando uma excelente exibição com um golo e uma assistência.

 

João Teixeira – Vitória de Setúbal 

O Vitória de Setúbal venceu o Marítimo por 3-1, numa reviravolta épica, com o 2-1 a ser marcado já depois do minuto 90, e João Teixeira foi um dos grandes destaques da partida. O jogador que está emprestado pelo Benfica parece ter ganho uma nova vida em Setúbal, e tem sido, neste início de época, o motor da equipa de José Couceiro. Frente ao Marítimo o médio apresentou-se a grande nível, tendo sido dele o momento do jogo quando ao minuto 78 com um pormenor delicioso tira um adversário do caminho e, de fora da área, remata forte e colocado para o fundo da baliza de Charles.

Raphinha -Vitória de Guimarães

Se o Vitória Sport Club conseguiu tirar um ponto da partida frente ao Portimonense (3-3), a Raphinha o deve. O extremo foi o grande responsável pela recuperação minhota, que recorde-se, esteve a perder 3-0, ao apontar o primeiro e o terceiro golo da sua equipa, tendo sido uma constante ameaça para a baliza defendida por Ricardo Ferreira, que fez uma exibição excelente, saliente-se. Rematou, correu, driblou e acima de tudo tentou. Merecia mais do jogo.

Marcos Acuña – Sporting 

Na última jornada o Sporting levou de vencida o Chaves, por 5-1, com Acuña a apontar dois golos, estreando-se assim a marcar na Liga NOS. O extremo leonino, que tem sido escolha regular de Sampaoli para a seleção argentina, é um poço de força, e no passado domingo, voltou a mostrar uma disponibilidade enorme para fazer todo o corredor esquerdo. Ajudou Fábio Coentrão a defender, segurou a bola quando tinha de segurar, e no ataque foi um perigo constante para a defesa do Chaves, com os seus cruzamentos venenosos, que chegam à área sempre com conta peso e medida, aparecendo ainda no sítio certo para finalizar boas jogadas colectivas do Sporting.  No final foi para casa a sorrir com dois golos na conta pessoal, e um lugar no onze AMBIDESTRO.

Jonas – Benfica 

 

Marcou dois golos de penalti frente ao Desportivo das Aves, mas o que Jonas oferece à equipa é muito mais do que isso. Imune ao mau momento do Benfica, o avançado brasileiro joga e faz jogar, destacando-se pela sua capacidade de desmarcação e de vir receber a bola entre-linhas, criando espaços para que os seus colegas possam criar desequilíbrios. Na última jornada terminou o jogo com seis remates, três enquadrados, dois passes para finalização, dois dribles eficazes e dois golos, que garantiram que os 3 pontos fossem para a Luz.

Bas Dost – Sporting

 

Já há algum tempo que as bancadas de Alvalade não testemunhavam o melhor Bas Dost, mas no domingo ele apareceu. Apoiado por Daniel Podence, o avançado pareceu mais em jogo do que com Bruno Fernandes nas costas, e o resultado está à vista. O holandês apontou 3 dos 5 golos do Sporting, assistindo ainda para um dos golos de Acuña, e mostrou-se sempre disponível para recuar e vir buscar jogo mais atrás. Bas Dost está então de volta aos golos depois de 6 jogos sem marcar, e garante um lugar no onze ambidestro, fazendo dupla de ataque com Jonas.

 

 

 

 

 

 

Diogo Gonçalo

Diogo Rafael, 21 anos e um apaixonado pela vida no geral e pelo futebol em particular. Licenciado em Ciências da Comunicação e criador do site www.theluxlifeon.com, onde pretendo ajudar os outros a aproveitarem a vida ao máximo.

Deixe uma resposta