Dragão com personalidade vence o Leipzig por 3-1

Um Estádio do Dragão muito bem composto viu o FC Porto vencer com personalidade o Leipzig, que na Alemanha venceu por 3-2. Os alemães empataram o jogo na sua única oportunidade de golo clara, mas a formação de Sérgio Conceição conseguiu garantir a vitória de forma muito profissional, com golos de Herrera, Danilo e Maxi.

As duas derrotas em quatro jogos obrigavam os “dragões” a pontuarem se quisessem apurar-se para a próxima fase tranquilamente, e ao garantir esta vitória, ficam em segundo lugar e numa posição confortável para o prosseguimento nas competições europeias. 

Tanto Conceição como Hasenhuttl apresentaram onzes praticamente sem ausências forçadas, e desde o início o jogo estava a ser jogado a grande intensidade no meio-campo, chegando a bola poucas vezes a ameaçar as balizas. O FC Porto conseguiu uma coesão defensiva praticamente inquebrável por Sabitzer, Bruma ou Augustin, e quando atacava fazia-o de forma rápida e com processos simples. Uma lesão afastou Marega logo aos 11 minutos, sendo substituído por André André, que foi quase um amuleto pois mal entrou aconteceu o golo dos portistas: Canto batido na direita, bola rechassada para o centro da área e, à mercê de Herrera, encontra as redes da baliza de Gulácsi aos 13 minutos.

A confiança do ataque portista ia aumentando e uma jogada muito bem desenhada pela esquerda quase dava em golo, se não fosse a atenção do capitão Orban a impedir André André de ser feliz. Aos 20′, o Leipzig tem a sua melhor oportunidade da primeira parte numa bola parada, com Forsberg a atirar para o canto superior direito da baliza portista, só que José Sá negou o golo de forma espetacular. Poucas ou nenhumas oportunidades de golo haveriam no resto da primeira parte, a não ser um remate de longe espontâneo de Herrera.

Maxi Pereira voltou à Champions com um golo

A segunda metade trouxe duas alterações para a equipa detida pela Red Bull, entrando o matador Timo Werner e Klostermann. O primeiro marcou na sua primeira oportunidade: Numa rara desorganização defensiva do Porto, Sabitzer descobre Werner que bate Sá no cara-a-cara, consumando uma transição rapidíssima do Leipzig. Passavam-se 48 minutos de jogo. O dragão esmoreceu  mas viria a ganhar nova força aos 60′: Danilo cabeceia por cima na sequência dum canto, e momentos depois consegue devolver a vantagem ao Porto com outro golpe de cabeça, desta vez mais calibrado, a livre de Alex Telles. A tranquilidade absoluta chegou só nos descontos, quando o regressado Maxi Pereira, servido por Aboubakar, arrancou sozinho desde o meio-campo e só parou quando marcou golo.

Um 3-1 com muita personalidade, eficácia no ataque, segurança na defesa, e acima de tudo um resultado que garante, à partida, que as noites europeias continuem a ser jogadas no Estádio do Dragão para além da fase de grupos da Champions.

David Silva

Contar a minha história é falar de futebol. Primeiro, a paixão. Depois, a prática. Em seguida, uma deslocação de 71km entre a Lourinhã e a NOVA/FCSH, onde concluí o curso de Ciências da Comunicação, em 2019. Pelo meio, nove meses de estágio memoráveis no Canal 11, na Cidade do Futebol. E por fim, a paixão. Sempre.

Deixe uma resposta