Portugal derrotado pela eficácia transalpina

A Seleção Nacional de futebol feminino sub-16, perdeu hoje com a congénere italiana, em partida relativa à 2.ª jornada do Torneio de Desenvolvimento da UEFA que se realiza em Vila Real de Santo António. Recorde-se que, na primeira jornada, havíamos perdido por (1-4), diante a selecção alemã.

A formação italiana entrou mais forte no encontro e aos 14′, Federica Anghileri inaugurou o marcador. A selecção das Quinas tentava inverter o resultado mas a eficácia transalpina era arma essencial. À passagem do minuto 29, as visitantes voltaram a fazer mexer o marcador e dilataram a vantagem por intermédio de Veronica Battelani.

No regresso para a etapa complementar, a formação de Ricardo Tavares foi superior e aos 77′, chegou ao golo com assinatura de Ana Assucena. As portuguesas sentiam que o empate era possível e até ao apito final, tudo fizeram para inverter o marcador ainda que, o esforço não se tenha traduzido em golos e a derrota tenha sido um resultado injusto, pelo futebol praticado pelas portuguesas.

O selecionador Ricardo Tavares admitiu que os golos das transalpinas foram fruto de erros de Portugal mas reconhece que as suas jogadoras, estiveram melhor e mereciam sair com outro resultado: “Nesta casa sabemos que perder nunca é positivo. No entanto, foi daqueles jogos em que saímos com um grande sentimento de amargura, pois dominámos o jogo todo e tivemos várias situações de perigo. A Itália fez dois remates e marcou dois golos, fruto de erros da nossa parte. Merecíamos ter feito mais golos que a Itália, sem dúvida nenhuma”

O mister português salientou a importãncia destes jogos: “É neste tipo de jogos que a equipa e as jogadoras crescem. Estamos mais expostos aos erros. Além de terem outra dinâmica, o que nos obriga a superar-nos, estes jogos fazem-nos sair da nossa zona de conforto e as jogadoras crescem com isso”

 

Foto: FPF

Guilherme Freire Coelho

Alfacinha apaixonado pela vida e por futebol. Defendo-o como desporto, respeito-o pela vertente social e admiro-o como espectáculo. A bola, é mero instrumento para os "artistas" brilharem. Não escrevo sobre bola mas sim, sobre Futebol, sempre de forma transparente, com fair-play e....sem respeito pelo acordo ortográfico.....

Deixe uma resposta