Defesa de papel coloca um ponto final no sonho europeu

Depois da derrota pela margem mínima na Polónia, o Rio Ave tinha as expectativas em alta para esta segunda mão, tal comprovado pela afluência de público ao estádio, que estava praticamente lotado. A verdade é que a equipa vilacondense não foi além de um empate a 4 bolas, marcado por uma gigante criatividade ofensiva contrastada pela grande permeabilidade defensiva da equipa da casa.

O Jagiellonia até começou melhor, marcando o primeiro tento logo aos 5′, mas a equipa de José Gomes estava demasiado convicta das suas capacidades para desistir assim. Acabou por dominar todo o meio-campo até ao intervalo, com direito a dois golos de Galeno, emprestado pelo FC Porto.

No regresso dos balneários o jogo manteve-se com o mesmo pendor, mas, tal como no primeiro tempo, foi o Jagiellonia a marcar. O angolano Gelson Dala voltou a colocar a equipa caseira em vantagem à passagem do minuto 63 e despertou o estádio que acreditava mais do que nunca. Mas pouco depois, dois erros defensivos sentenciaram as esperanças vilacondenses, resultando em dois golos para a equipa polaca. Antes do final, Damien Furtado ainda reduziu a desvantagem na eliminatória, mas não foi suficiente para levar avante o sonho da equipa portuguesa.

Com este resultado, o Rio Ave fica afastado da Liga Europa, seguindo o Jagiellonia para a 3ª pré-eliminatória onde defrontará o Gent, da Bélgica.

João Ferreira

Um jovem apaixonado por futebol que encontrou neste projeto a essência do seu verdadeiro amor.

Deixe uma resposta