Salin foi destaque num empate salgado entre rivais

Final de tarde quente na Luz, com as bancadas repletas de miúdos e graúdos prontos para assistir a um dos míticos embates do futebol português. De um lado, o Benfica que vinha de um empate frente ao PAOK, apesar de ter mostrado boas indicações nesse jogo. Do outro, o Sporting que havia vencido o Vitória FC por 2-1 em sua casa, mas que ainda não havia convencido os adeptos, após a crise que sofreu neste verão. No que a este jogo diz respeito, as duas equipas entraram com muita vontade, mas cedo se percebeu que a iniciativa de jogo ia estar do lado dos da casa.

Aos 6 minutos de jogo, Rúben Dias cabeceia para defesa de Salin, após um belo cruzamento de Pizzi. Mas o Sporting não se limitava a defender. Quando assim o conseguia, saía em contra-ataque e tentava criar perigo e foi isso que Acuña fez: Pegou na bola, arrancou no meio campo contrário e rematou ainda de fora de área, com a bola a roçar o poste da baliza de Odysseas.

A partir dos 15 minutos viu-se tudo menos futebol. O campo transformou-se numa batalha campal, vincada pelas 10 faltas cometidas por cada lado ao intervalo. O Benfica ainda tentou marcar por meio de um canto, mas Salin voltou a fazer uma grande defesa.

A segunda metade começou com um remate perigoso de Bruno Fernandes, que Odysseas segurou. A partir desse lance, o Benfica começou a gerir melhor a posse de bola e a ter uma reação à perda muito forte, o que levou a que as oportunidades até aos 60 minutos pertencessem todas às Águias, mas foi no primeiro contra-ataque do Sporting que Rúben Dias rastejou Montero em falta dentro da grande área. Chamado à conversão, Nani não falhou.

Já com João Félix e Seferovic dentro de área, o Benfica corria atrás do prejuízo. E, já depois dos 85 minutos, Rafa cruzou da direita e o menino prodígio de 18 anos bateu Salin, empatando o jogo. Até final do jogo, as oportunidades dos encarnados sucederam-se, mas o marcador manteve-se igual.

Em suma, o resultado aceita-se, apesar de uma superioridade evidente da equipa da casa. O Sporting defendeu-se bem e o Benfica não teve criatividade suficiente para se superiorizar. No que à equipa de arbitragem diz respeito houve falhas, muito graves. O árbitro perdeu o controlo do jogo logo no início e nunca mais o obteve de volta. Com este resultado, ambas as equipas ficam com sete pontos, isolados no primeiro lugar, provisoriamente.

João Ferreira

Um jovem apaixonado por futebol que encontrou neste projeto a essência do seu verdadeiro amor.

Deixe uma resposta