Madeira Rodrigues e a escolha de treinador: “Estamos fartos de ser os derrotados”

Pedro Madeira Rodrigues comentou o despedimento de José Peseiro, mostrando alguma “revolta e tristeza” com o sucedido. O ex-candidato à presidência leonina falou ainda da escolha de um novo treinador, que prevê ser “português porque cai melhor”.

Em declarações ao jornal Record, Madeira Rodrigues considerou que Frederico Varandas desvalorizou José Peseiro:

“Peseiro fez o que se esperava o que se fizesse: está a 2 pontos do 1.º lugar, ontem foi um jogo atípico. Quem não sabia com o que ia contar é porque não percebe nada disto. Foi óbvio desde o princípio que José Peseiro, que é boa pessoa, não é mau treinador, não servia os interesses do Sporting. Nesta altura, a três dias de um jogo importantíssimo, depois o jogo com o Arsenal, um ciclo decisivo que aí vem, e aconteça isto… Peseiro ficou no Sporting sem qualquer tipo de apoios, Frederico Varandas não lhe deu apoio e ele tinha de lhe dar confiança. Agora tira-lhe o tapete de forma surpreendente e deixa o caminho muito complicado para o próximo treinador. Sinto alguma revolta e tristeza com o que está a acontecer. O Sporting cai numa crise que não é boa para o clube.”

O ex-candidato à presidência do Sporting, que renunciou da sua candidatura para apoiar José Maria Ricciardi, lembrou Claudio Ranieri, com quem tinha um acordo verbal caso fosse eleito.

“Ranieri reúne todas as condições e mais algumas para ser treinador do Sporting. Mas não sei se o orgulho das pessoas vai fazer com que optem por uma escolha sem o mesmo carisma e experiência. As pessoas teriam de ter a confiança dele como eu tive. Ele conhece bem o futebol português, é sensacional, gosta muito do Sporting. Provavelmente vai optar-se por um treinador português porque cai melhor, talvez Paulo Sousa, Rui Faria – talvez Jorge Mendes tenha um papel importante. Estamos farto de ser os ‘loosers’, os derrotados. Já chega”, disse o empresário de 47 anos.

 

David Silva

Contar a minha história é falar de futebol. Primeiro, a paixão. Depois, a prática. Em seguida, uma deslocação de 71km entre a Lourinhã e a NOVA/FCSH, onde concluí o curso de Ciências da Comunicação, em 2019. Pelo meio, nove meses de estágio memoráveis no Canal 11, na Cidade do Futebol. E por fim, a paixão. Sempre.

Deixe uma resposta