As “ofertas natalícias” dos bracarenses às águias terminaram em goleada

O Benfica venceu o Braga na Luz, por um expressivo 6-2, numa espécie de noite de Natal antecipada.

Antes de se poder cortar o Bolo Rei e dele retirar o tão famoso brinde (3 pontos), a equipa da casa começava o jogo com bastante posse de bola e com uma forte intenção de dar a vitória aos adeptos. No entanto, acabou por dar bem mais do que isso. Os encarnados acabaram por revelar a qualidade que tão bem os caracteriza, mas que parecia andar escondida. O jogo para se mostrarem enquanto EQUIPA não podia ser melhor. À entrada, estava apenas um ponto a separar as duas formações de um terceiro e quarto lugar.

O Braga entrava na partida a apostar na transição rápida, procurando sair a jogar nas costas de Grimaldo e André Almeida. Porém, encontrava um Benfica sempre atento. Os passes falhados dos bracarenses iam aumentando e a turma de Rui de Vitória procurava inaugurar o marcador.

À primeira oportunidade, Jonas desperdiçou, mas pouco tempo depois, Pizzi cortou para dentro, ao estilo de Robben, e conseguiu bater Tiago Sá. A partir daí, o Sporting de Braga cresceu durante breves momentos, com alguns lances de perigo à baliza de Vlachodimos. Ainda assim, 20 minutos depois do primeiro golo, na sequência de um canto, Jardel aumentava a vantagem dos encarnados, num lance em que Tiago Sá ficava mal na fotografia. O lance ainda foi visto no VAR, por alegada falta de Jardel, mas segundos depois, Artur Soares Dias dava o golo como validado.

Chegávamos ao intervalo com um 2-0 e enormes aplausos dos adeptos encarnados, que viam o Benfica a jogar num patamar muito superior ao que têm visto nos últimos jogos.

A segunda parte começava com um festival de golos. Dez minutos, três golos. Primeiro com Grimaldo, que logo a abrir a segunda metade faturou. Logo de seguida, Dyego Sousa reduziu a desvantagem. E, depois, Jonas lá teve de marcar de baliza aberta. Via-se um Benfica muito superior, face a um Sporting de Braga cheio de desalento que cometia erros e erros.

Os avançados bracarenses mal se viam. Talvez estivessem já na Lapónia a preparar o Natal encarnado. Já os defesas do Braga pareciam contagiados com o espírito natalício. Ofereciam golo atrás de golo.

A pressão benfiquista acabava por deixar a equipa bracarense ferida no orgulho, com Cervi e André Almeida a chegarem à marca do sexto golo. João Novais ainda deu uma pequenina prenda aos adeptos que se deslocaram à capital, ao reduzir para 6-2.

Feitas as contas, o Benfica passa provisoriamente para o segundo lugar da tabela classificativa com 32 pontos, enquanto espera o resultado dos leões e o Braga passa a ocupar o quarto lugar, com um total de 30 pontos.

 

João Dias

Natural de Coimbra, frequenta a licenciatura de Ciências da Comunicação na NOVA FCSH. É movido pelo amor à escrita e sonha concretizar essa paixão nas áreas ligadas ao desporto, cultura e atualidade. É praticante de Badminton e fã de Game of Thrones, nas horas vagas.

Deixe uma resposta