Empate em Setúbal deixa Sporting mais longe do pódio

A uma semana do dérbi contra o Benfica, o Sporting deixou-se empatar no Estádio do Bonfim frente ao Vitória de Setúbal. Uma primeira parte adormecida, culminou no golo de Jhonder Cádiz ao minuto 24. A segunda parte trouxe inferioridade numérica para os leões, após o vermelho direto mostrado a Ristovski ao minuto 55, e muita falta de imaginação no último terço do terreno. Apesar disso, Bas Dost empatou a partida a 10 minutos do fim do tempo regulamentar. Os leões vêem os seus rivais diretos afastar-se na classificação.

Desinspiração leonina e a arte de contra-atacar setubalense

O Sporting iniciou o jogo adormecido, algo que tem acontecido bastante nas últimas partidas da formação leonina. Logo à passagem do minuto dois o extremo do Vitória, Jhonder Cádiz num lance individual pelo lado esquerdo assustou a defesa do conjunto lisboeta, mas a jogada não passou disso mesmo, um susto.

A partir daí o jogo mostrou-se dividido, apesar de as melhores oportunidades surgirem da parte do Sporting. O relógio marcava os nove minutos, Jefferson surge isolado na esquerda, cruzamento venenoso muito junto da baliza e Bas Dost cabeceia por cima. Apenas três minutos depois, uma autêntica fotocópia do lance anterior. Desta vez, o avançado holândes acerta na baliza, mas o guardião português Cristiano defende facilmente.

A equipa setubalense mantinha-se fiel a si mesma. Defesa compacta, bem fechada e à espera do momento perfeito para lançar o contra-ataque. Foi, inclusive, desta forma que ao minuto 17, novamente Cádiz criou perigo, desta vez pela direita. O extremo arrancou, Petrovic tentou acompanhar, mas o venezuelano de 23 anos acabou mesmo a conseguir o remate. Renan agarrou à segunda.

À passagem do minuto 24 o exemplo perfeito do que deve ser um contra-ataque e finalmente um golo para aquecer a noite no estádio do Bonfim. Grande bola de Rúben Micael para a corrida do suspeito do costume, Cádiz tira Petrovic do caminho e com um belo remate cruzado já dentro da área faz o primeiro golo do encontro.

Depois dos jogos frente a Braga e Porto, para a Taça da Liga, este era já o terceiro encontro consecutivo onde a formação leonina entrava a perder e se via obrigada a correr atrás do prejuízo.

Após o golo do camisola 99 do Vitória, o Sporting tentava fazer pela vida. Até ao final da primeira parte, seguiram-se algumas oportunidades para os verdes e brancos, sem qualquer efeito no resultado no entanto. Raphinha aos 26 e Bas Dost aos 38 tentaram a sorte de cabeça, mas nenhum dos dois conseguiu enquadrar corretamente a baliza. E se de cabeça não funcionava, a meia distância também não. Ao minuto 41, o centro-campista brasileiro do Sporting Wendel tentou a sorte com um remate à entrada da grande área do Setúbal. A bola ia para fora, mas Cristiano tirou todas as dúvidas ao dar uma palmada para canto.

O juiz da partida Hélder Malheiro apitava para o intervalo e o quinto golo da temporada de Cádiz fazia a diferença. O Sporting de Keizer ia para os balneários a perder e o técnico holandês tinha no que pensar. Nos últimos oito encontros o Sporting apenas por uma vez foi para o intervalo em vantagem. A última vez foi contra o Moreirense em casa.

O tudo ou nada do Sporting

O Sporting entrava na segunda metade claramente mais concentrado do que na primeira. Os segundos 45 minutos começaram com duas oportunidades para os leões. Bruno Fernandes e Wendel tentaram de fora de área aos 47 e 48 mas ambos os remates a saírem fáceis para Cristiano. A eficácia mostrava-se um problema para a formação lisboeta.

Com apenas 10 minutos da segunda parte, o encontro adivinhava-se ainda mais difícil para o Sporting. Num lance aéreo dividido, Ristovski acaba por levar uma cotovelada involuntária e ao pedir justificações a Hélder Malheiro vê a cartolina vermelha. A fúria do lateral era tanta que os colegas o tiveram que segurar. Para além da desvantagem no marcador, o Sporting jogaria os últimos 30 minutos com menos um elemento.

Aos 63 minutos, Macel Keizer decide finalmente mexer na equipa. Entraram Nani e Bruno Gaspar, saiu Raphinha e o estreante Idrissa Doumbia. O jovem médio, contratado pelo Sporting neste mercado de inverno, passou despercebido nesta sua primeira hora de leão ao peito.

O relógio marcava o minuto 74 e o Sporting continuava sem imaginação ofensiva para dar a volta ou pelo menos empatar o resultado. Keizer metia a carne toda no assador e, mesmo com menos um elemento, tirava Petrovic para fazer entrar mais um reforço de inverno, o avançado Luiz Phellype. Os leões não faziam um remate enquadrado com a baliza desde o minuto 49.

Mas se o Sporting precisa de golos, pode sempre contar com um jogador em específico. Minuto 80, lance de grande confusão na área do Vitória. Cristiano soca a bola para a entrada da área que sobra para o capitão Bruno Fernandes. O internacional português remata fraco, mas o esférico encontra Bas Dost que desvia a trajetória da bola para dentro da baliza. Apesar da inferioridade numérica, o avançado repõe a igualdade no marcador. 1-1 no Bonfim.

Até ao final e apesar dos sete minutos de desconto – devido às várias paragens para das assistência aos jogadores do Vitória de Setúbal –  não houve qualquer golo. Bruno Fernandes e Wendel ainda tentaram desfazer o empate, mas sem sucesso. Aos 97 houve ainda tempo de uma asneira de Nani quase dar o golo da vitória a Hildeberto Pereira, mas Renan não tremeu.

Apito final, empate a uma bola no Estádio do Bonfim entre o Setúbal e o Sporting. Este resultado leva os leões a ver os rivais diretos fugir na tabela classificativa a poucos dias do dérbi com o Benfica.

 

Francisco Carvalho

Desde tenra idade que duas paixões me cativaram, desporto e a escrita, sendo a sua união o cenário ideal. Cedo percebi que com esforço e dedicação poderia juntar uma paixão a uma profissão, sendo o jornalismo a resposta. Numa geração onde a banalização e a desvalorização da informação são recorrentes, quero mostrar a relevância do mundo jornalístico em toda esta sociedade cativante que nos rodeia.

Deixe uma resposta