Bruno Fernandes abre a porta para o Jamor

A formação leonina, que se apresentou apenas com uma alteração em relação ao último jogo em Chaves, com Bruno Gaspar no lugar de Ristovski, disputava em sua casa o jogo mais importante da época. Do outro lado, as águias de Bruno Lage procuravam segurar a vantagem que traziam da primeira mão. As novidades no onze foram as expectáveis com Svilar na baliza, Jardel no centro da defesa, Fejsa e Seferovic na frente.

O jogo foi pautado por um equilíbrio entre ambos os conjuntos desde o apito inicial até ao final. Na primeira parte não existiram oportunidades dignas de registo, com as duas equipas a entrarem na expectativa e pouco ambiciosas.

No segundo tempo a história foi outra, com o tempo a escassear os leões necessitavam de marcar pelo menos um golo para prosseguir para o Jamor, já os encarnados procuravam marcar para adquirir outra tranquilidade dentro das quatro linhas.

Bruno Fernandes, o suspeito do costume, deixou o primeiro aviso aos 49 minutos, com um livre à entrada da área de Svillar que foi embater com grande estrondo na barra. A resposta das águias não demorou, Seferovic consegue isolar-se na cara de Renan Ribeiro e com tudo para fazer golo acaba por atirar ao lado do alvo. Depois foi a vez do recém entrado Jonas falhar um golo cantado à entrada da área dos leões.

A turma de Marcel Keizer viria chegar ao tão desejado golo após a mudança de sistema para a já habitual alternativa do 3x4x3, utilizada várias vezes ao longo da época, com entradas de Tiago Ilori e de Diaby para os lugares de Borja e Bruno Gaspar. Após uma perca de bola de Rafa na transição ofensiva a bola acaba por sobrar para Grimaldo, que decide mal, permitindo a Bruno Fernandes conquistar a posse de bola e finalizar dentro da área benfiquista.

Até ao final do jogo não existiram oportunidades flagrantes para nenhuma equipa. Com a entrada de Taraabt para o lugar de Fejsa o Benfica procurou correr atrás do prejuízo, jogando com maior fluidez e assumindo o jogo com os leões a apostarem no contra-ataque, porém, o conjunto encarnado não foi capaz de criar perigo junto da baliza de Renan Ribeiro.

O resultado final fixou-se no 1-0 para o Sporting, com direito à passagem à final da Taça de Portugal, por vantagem nos golos fora. O FC Porto é o outro finalista depois de ter batido o Braga nas meias-finais.

Francisco Alves

Da Ilha da Madeira para o Mundo. Estudante de Jornalismo na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra e eterno amante do desporto rei.

Deixe uma resposta