“Torço pelo meu filho e pelo Eintracht Frankfurt”

Domingos Paciência, histórico jogador do Porto e ex-treinador de vários clubes portugueses, esteve presente na inauguração da nova sede da Associação Nacional de Treinadores de Futebol, em Rio Tinto, e falou de vários assuntos, acompanhado por Toni.

O futebol português

“Gostava que o FC Porto fosse campeão e torço para que seja. Um deslize pode tirar as hipóteses de ser campeão. O Benfica tem jogos complicados, o FC Porto também, mas não é fácil prever onde é que haverá o deslize. É natural que o FC Porto esteja à espera desse deslize, porque não tem vantagem para o Benfica”, começou por afirmar o técnico.

“O campeão tem de ser um campeão justo, sem contestação. Tem havido muitos erros para trás e muitas situações que, de certa forma, denigrem o futebol português. Está um ambiente muito pesado. Ao fim de um ano, quando se pensava que o VAR pudesse ser uma ajuda muito grande para o futebol e pudesse estar melhor, os casos e as dúvidas continuam”, alertou o antigo avançado portista.

O Eintracht e o filho

“Torço pelo meu filho (Gonçalo Paciência) e pelo Eintracht (Frankfurt). Gostava que passasse. Esperava um Eintracht diferente na Luz, acho que poderia ter feito um jogo diferente. Mas o treinador prepara o jogo e ao fim de 20 minutos vê-se a perder 1-0, penálti e expulsão, numa competição europeia contra uma equipa boa como é o Benfica, tudo muda. Espero que o jogo de Frankfurt tenha uma história diferente e vou torcer para que o meu filho consiga passar às meias-finais”, referiu Domingos.

Sobre o filho: “Está numa fase melhor, mais confiante, mais adaptado. Levou o seu tempo, mas felizmente está mais contente com o que está a acontecer neste momento na carreira e ficaria melhor se ganhasse ao Benfica”, admitiu.

Ricardo Oliveira

Oriundo da mesma terra do melhor jogador do mundo, a paixão pelo futebol não podia ser maior. Licenciado em Ciências da Comunicação na FCSH, gosta de escrever e está sempre de braços abertos a novos projetos.

Deixe uma resposta