Barcelona 2-1 Arsenal – Champions para a Catalunha 14 anos depois

Na rúbrica “Domingos Históricos” desta semana recuamos até 2006. Barcelona e Arsenal assumiam-se como as duas melhores equipas da Europa e procuravam conquistar a Liga dos Campeões no Stade de France. O Barcelona conseguiu superiorizar-se a um Arsenal reduzido a 10 desde o minuto 18 e venceu por 2-1, conquistando a Champions.

Tínhamos frente a frente dois pesos pesados do futebol mundial. De um lado o Barcelona comandado por Rijkaard com Ronaldinho, Deco e Etoo como estrelas principais e à procura de levar a Champions para a Catalunha, 14 anos após a última conquista. Do outro lado estava o Arsenal de Wenger com Henry, Sol Campbell e Ljungberg à procura de levar para Londres a primeira Liga dos Campeões da sua história.

79 mil pessoas lotavam o Stade de France e quando Terje Hauge apitou para o início do jogo, estava em marcha uma das finais mais memoráveis da competição. O Arsenal entrou bem no jogo, não mostrando nervosismo por ser a sua primeira final europeia, e quase chegou à vantagem através de Henry, mas Valdés não o permitiu.

O caso mais famoso do jogo deu-se aos 18 minutos. Jens Lehmann derrubou Samuel Etoo, quando este estava prestes a ultrapassá-lo, e recebeu ordem de expulsão. Os Gunners ficavam reduzidos a 10 jogadores e ficavam com uma missão espinhosa pela frente. Wenger substituiu Robert Píres por Almunia. Este acabou por ser o último jogo de Píres pelo Arsenal, após 6 anos ao serviço dos londrinos.

Esperava-se que os ingleses passassem por muitas dificuldades após a expulsão de Lehmann mas foram eles quem se colocou na frente do marcador, ainda na primeira parte. O capitão Sol Campbell saltou mais alto que toda a gente e cabeceou para o fundo da baliza de Valdés, colocando o Arsenal em vantagem aos 37 minutos.

Ronaldinho assumia-se como a maior estrela dos catalães.

Ao intervalo a vantagem era inglesa. O Barcelona precisava de mudar alguma coisa, caso quisesse levantar o troféu, e Frank Rijkaard lançou, no intervalo, um médio espanhol de 22 anos que dava pelo nome de Andrés Iniesta. O jogador não demorou muito tempo a mostrar que o Barcelona ainda tava bem vivo e aos 52 minutos dispôs de uma grande oportunidade para empatar a partida, mas Almunia não deixou.

O Arsenal ia passando por dificuldades e, em termos ofensivos, apenas ameaçava através do contra-ataque com Henry a ser uma dor de cabeça constante para a defensiva catalã. Conforme os minutos iam passando o cansaço dos Gunners começava-se a notar cada vez mais e a pressão do Barcelona dava a entender que esta final ainda estava longe de ser resolvida.

A tristeza inglesa após o jogo era visível.

Tal ficou claro quando aos 76 minutos, Henrik Larsson empatou a partida naquele que seria o seu último jogo pelo Barça. Os sonhos dos adeptos ingleses foram completamente destruídos quando 4 minutos depois Belletti consumou a reviravolta no marcador e deu a Liga dos Campeões ao Barcelona.

Daniel Sousa

Nascido e criado na Ilha da Madeira e neste momento a estudar Ciências da Comunicação na FCSH. Com um gosto enorme pelo futebol e pela escrita, está sempre aberto a novos desafios.

Deixe uma resposta