FC Porto derrota V. Guimarães e sobe ao segundo lugar

Após a vitória no clássico da Luz o Porto seguia confiante para defrontar os Vitorianos, também eles moralizados pelo apuramento para a Liga Europa conseguido nesta semana. Afigurava-se assim um jogo interessante e equilibrado.

O equilíbrio perdeu-se logo a abrir, depois de o Vitória ter ficado reduzido a 10 no primeiro minuto, o que acabou por condicionar o resto do jogo. O Porto soma assim a terceira vitória consecutiva na liga e garante o segundo lugar à passagem da Quarta Jornada, embora com uma exibição bem abaixo da conseguida frente ao Benfica . Mérito para o vitória que resistiu como pôde, mantendo-se na luta quase até ao fim, e acabou mesmo reduzido a 9.

O Vitória de Guimarães entrou da pior maneira possível no jogo, após o vermelho direto mostrado a Tapsoba logo aos 45 segundos, no primeiro lance do jogo. O árbitro Carlos Xistra, entendeu que o defesa travou Marega numa ocasião flagrante de golo e mostrou o vermelho direto ao central. Uma decisão que parece algo exagerada, colocando assim de fora do jogo aquele que foi o “herói” que marcou o golo decisivo para o apuramento dos vitorianos para disputar a Liga Europa.

Para reequilibrar a defesa, Ivo Vieira foi forçado a fazer desde logo uma substituição. Saiu Pêpê Rodrigues para entrar Pedro Henrique. O Vitória foi assim obrigado a tomar uma estratégia (ainda mais) defensiva, abdicando de avançado.

Mesmo com a vantagem dos números, o Porto não impressionou pela exibição. Obviamente que mantinha o domínio do jogo, mas não desempenhou nem perto daquilo que foi o jogo no estádio da Luz. O golo chega aos 14’ minutos, num cruzamento de Corona, da direita, Marega domina a bola ao segundo poste, tira um defesa do caminha e atira por baixo de Miguel Silva, inaugurando o marcador.

A primeira parte ficou assim marcada por pouco jogo jogado de parte a parte, situação ainda mais agravada pelas lesões que surgiram de ambas as partes, Pepe que teve que sair do lado do Porto e Al Musrati que fez assim com que Ivo Vieira esgota-se a sua segunda substituição ainda nos primeiros 45 minutos de jogo.

Durante a primeira parte o Vitória, embora reduzido a 10, manteve a compostura, frente a um Porto que demorava a encontrar soluções e que levava as bancadas ao desespero.

Já na segunda parte a história não foi muito diferente, o Porto continuava a tentar melhorar o seu futebol e o Vitória a resistir, ameaçando inclusive o golo. Lucas Evangelista apontou à baliza de Marchesín que teve que se aplicar.

O Porto só conseguiu apontar os últimos dois golos, que selaram o 3-0 final, após a expulsão de Davidson aos 80′ por protestos.  A jogar contra 9 o Porto fez o que quis, com o Vitória já desgastado e desconcertado com aquilo que lhe acontecia dentro do relvado.

Primeiro, foi o golo de Marcano. Miguel Silva tenta encaixar a bola, mas acaba por deixá-la fugir para a frente. Sozinho, Marcano não perdoou e fez o segundo. Carlos Xistra ainda foi ver as imagens, para averiguar um potencial fora-de-jogo de Soares, mas validou o tento.

A machadada final é dada pelo homem do jogo: Marega. Passe de Otávio e o avançado maliano, com espaço, na cara de Miguel Silva, atira pelo meio das pernas do guarda redes da vitória.

Tiago Domingos

Lourinhanense de gema, estuda gestão no ISCTE-IUL. Tem como hobbie a escrita e como paixão o futebol!

Deixe uma resposta