Quem te viu e Quem te vê: Jeffrén

Produto de uma das melhores academias do mundo, Jeffrén chegou a Alvalade como uma das contratações mais sonantes do defeso mas, muito por culpa das lesões, o camisola 7 nunca conseguiu mostrar o seu verdadeiro potencial. Oito temporadas depois, onde anda Jeffrén?

Estávamos na época 2011/2012, Godinho Lopes era presidente dos Leões, Domingos Paciência o treinador e Jeffrén foi apresentado como reforço. O Sporting desembolsou cerca de 3,75 milhões de euros para contratar o jovem extremo de 23 anos.

O internacional jovem espanhol chegava a Alvalade com 7 temporadas de Barcelona no currículo e, por isso mesmo, as expetativas dos adeptos verde e brancos eram elevadas. Chegado à La Masia com apenas 16 anos, Jeffrén foi se tornando, com o passar do tempo, numa grande esperança da formação blaugrana.

A dada altura, Jeffrén era das maiores promessas da formação do Barcelona.

Enquanto lá esteve nunca foi emprestado, evoluindo sempre nas equipas secundárias dos catalães. Em 2007/2008 fez 30 jogos pela equipa B e nas duas épocas seguintes integrou a equipa principal, sendo treinado por Pep Guardiola.

Apesar de pouco utilizado- realizou apenas 19 jogos nessas duas temporadas- Jeffrén venceu vários troféus ao serviço do Barça, sendo a Liga dos Campeões o de maior destaque.

A afirmação do venezuelano na equipa principal do Barcelona acabou por nunca acontecer e o extremo passou de grande promessa do clube para dispensável. Rumou ao Sporting para relançar a carreira.

Os leões viviam um momento de grande instabilidade e talvez não tenha sido a escolha mais sensata para o jogador voltar a brilhar. Na primeira época realizou apenas 18 jogos, sendo que passou metade da época a contas com problemas na coxa e na virilha.

Na segunda época, já com Sá Pinto como treinador, o extremo participou em 21 jogos, mas nunca se assumiu como titular indiscutível. A magia que caraterizava o jogador no Barcelona foi se perdendo com as sucessivas lesões e foi sem surpresa que o jogador abandonou o clube em 2013/2014, aquando da chegada de Bruno de Carvalho.

Após abandonar o Sporting, rumou ao Valladolid onde esteve duas épocas e somou 47 jogos, três golos e uma descida de divisão na primeira época. Depois da subida falhada no ano seguinte, Jeffrén decidiu abraçar um novo desafio e rumou à Bélgica para representar o Eupen.

Voltou a não conseguir demonstrar o talento que lhe apontavam, marcando apenas 5 golos em 49 jogos. Teve ainda experiências na Suíca, ao serviço do Grashoppers e no Chipre, ao serviço do AEK Larnaca, mas em nenhuma delas o jogador se conseguiu afirmar. O ex-leão terminou contrato com a equipa cipriota em Julho deste ano e, com 31 anos de idade, encontra-se sem clube.

Uma carreira em equipas de menor expressão foi o que Jeffrén conseguiu alcançar.

Jeffrén foi apenas mais um dos muitos casos de jogadores que tanto prometiam, mas que ficaram bem abaixo das expetativas. Começou como grande promessa do Barcelona e da seleção espanhola e acabou a fazer carreira em equipas e campeonatos de menor expressão. O fracasso em Alvalade foi o início do fim, pois a partir daí o jogador viu o seu nível a descer época após época. Para a história ficam os 200 jogos realizados pelo jogador nas ligas portuguesa, espanhola, belga, suíça e cipriota e ainda seis jogos pela seleção A venezuelana.

 

Fonte das imagens: Getty Images

Daniel Sousa

Nascido e criado na Ilha da Madeira e neste momento a estudar Ciências da Comunicação na FCSH. Com um gosto enorme pelo futebol e pela escrita, está sempre aberto a novos desafios.

Deixe uma resposta