Salero espanhol permite viagem com os três pontos na bagagem

O FC Porto na deslocação desta tarde a Portimão, teve de suar bastante para vencer a equipa da casa. Os dragões marcaram o golo da vitória (2-3), na última jogada do encontro, por intermédio de Marcano.

Os pupilos de Sérgio Conceição dominaram por completo o primeiro tempo, e adiantaram-se no marcador aos 25′ por intermédio de um pontapé de pénalti, cobrado por Alex Telles. Antes do apito para o intervalo, fora Zé Luís a dilatar a vantagem, depois de Uribe ter cruzado forte, Marega de cabeça, desvia ligeiramente e o cabo-verdiano ao segundo poste, fazia o segundo dos dragões. De salientar que os azuis e brancos podiam ter ido para o intervalo com um resultado bem mais dilatado.

Os homens de Folha não desferiram um único remate á baliza de Marchesín, manifestando sempre muita inoperãncia no processo ofensivo.

No regresso para a etapa complementar, os técnicos não fizeram qualquer alteração. O jogo diminuiu de intensidade ainda que, os portistas continuassem a controlar o encontro. Folha percebera que a equipa estava sem soluções que criassem desequilíbrios ofensivos e aos 53′ refrescara o corredor central com a saída de Rómulo para entrar Dener. Os homens da casa iam   beneficiando com o facto do jogo estar mais lento e iam conseguindo subir no terreno. Decorria o minuto 65 e o médio ofensivo Tabata dava lugar ao avançado Marlos Moreno que viria a permitir, mais atrevimento ofensivo aos algarvios.

De salientar que o primeiro pontapé de canto favorável aos homens da casa, acontecera aos 71′.

Sérgio Conceição mexia no xadrez aos 72′ e retirava intensidade e magia  no processo ofensivo, com a saída de Luis Diaz para fazer entrar Nakajima. Do outro lado, refrescava~se a ligação ao ataque, e saía o médio ofensivo Lucas Fernandes para dar lugar a Ceballos.

As alterações deram mais dinâmica ao Portimonense e aos 74 minutos, Aylton Boa Morte assiste Dener que aparece no centro da área, e de cabeça, reduz a diferença no marcador. Pouco tempo depois, fora a criatividade de Anzai a fazer a diferença ao ser assistido junto a linha, pelo guardião Ricardo Ferreira, e com um movimento interior ganhara espaço deferindo um remate fora da área e de bonito efeito, empatando a partida.

De ora em diante, a táctica era algo que aparentava não existir e o encontro ficara mais aberto com alternância de ataques.

Conceição ainda esgotara as substituições com duas mexidas. Aos 81′ sai Zé Luis para entrar Soares e aos 90′ saira Otavio para dar lugar ao jovem Fábio Silva.

De salientar ainda a expulsão de Alex Telles no período de compensação, que se viu obrigado a travar Marlos Moreno para evitar que o jogador do Portimonense, ficasse isolado frente a Marchesín.

No último lance da partida respirou-se de alivio nas hostes portistas, com o espanhol Marcano a subir no terreno e a responder de cabeça, ao pontapé de canto assinalado por Corona, dando os três pontos ao FC Porto.

Marcano fez o golo que permitiu aos dragões conquistarem os três pontos
Marcano fez o golo que permitiu aos dragões conquistarem os três pontos

 

Guilherme Freire Coelho

Alfacinha apaixonado pela vida e por futebol. Defendo-o como desporto, respeito-o pela vertente social e admiro-o como espectáculo. A bola, é mero instrumento para os "artistas" brilharem. Não escrevo sobre bola mas sim, sobre Futebol, sempre de forma transparente, com fair-play e....sem respeito pelo acordo ortográfico.....

Deixe uma resposta