Apesar da má exibição coletiva, 15 minutos à Benfica chegaram

O Benfica foi a Moreira de Cónegos levar para casa três pontos muito suados. Apesar da má exibição coletiva das águias, 15 minutos de maior intensidade e a qualidade individual de jogadores como Rafa bastaram para dar a volta ao marcador que ficou fixado nos 2-1. Rafa e Seferovic fizeram os golos.

Encontro entre Benfica e Moreirense. As águias entravam em campo na ressaca da derrota europeia a meio da semana, enquanto que os da casa procuravam dar seguimento ao bom início de época em casa, onde ainda não sofreram qualquer golo.

Bruno Lage voltou a apostar na fórmula utilizada no campeonato. Apostou no 4x4x2 e no regresso ao onze inicial de Rafa, Seferovic e de André Almeida. No meio campo voltou a contar com Fejsa e Taarabt, mas a grande surpresa foi a inclusão de Gedson Fernandes, depois de longos meses de paragem.

Logo ao minuto quatro contratempo para a equipa de Moreira de Cónegos. Após uma bola dívidida com Pizzi, Djavan caiu mal e acabou por se lesionar no braço. O lateral brasileiro que passou pelo Benfica teve de ser levado em maca e entrou para o seu lugar D’alberto.

Apesar da lesão de Djavan, o Moreirense mostrou que vinha a jogo para lutar e nos primeiros 10 minutos foi-se atrevendo a subir no terreno. Singh ia subindo pela direita e dava trabalho a Grimaldo.

Ao minuto 14 surgiu o primeiro sinal de perigo do jogo. Rafa cortou da esquerda, entregou a Seferovic já dentro da área e este tabelou com Pizzi. O homem golo do Benfica desta época surgiu isolado com Pasinato, guardião do Moreirense, mas acabou por rematar junto à malha lateral.

O jogo foi passando e as águias iam crescendo na partida. Contudo, 10 minutos depois da grande oportunidade de Pizzi, foi a vez dos da casa ameaçarem. Soares recebeu na esquerda, cortou para o meio e disferiu um grande remate que passou a meros centímetros da barra da baliza de Vlachodimos.

O relógio marcava os 39 e desta feita foi a vez de um contratempo para os visitantes. Depois de uma queda aparatosa, Rafa ficou mal tratado. O extremo estava a ser o maior desiquilibrador do encontro e esteve largos minutos a ser assistido. Contudo, acabou por ficar em campo.

Ainda antes do intervalo foi a vez de Seferovic ficar perto do golo depois de cabecear perto da baliza de Pasinato após um bom cruzamento de Grimaldi na esquerda.

No entanto, o intervalo chegou sem golos. Apesar da equipa do Benfica estar por cima, Bruno Lage tinha que mexer algo na equipa que, mais uma vez, chegava ao intervalo sem marcar.

A segunda parte começou e não podia ter sido de melhor forma para os da casa. D’Alberto cruzou da esquerda, a bola dividida entre a defesa do Benfica e Nene isolou completamente o sul-africano Luther Singh e este so teve que encostar. 1-0 aos 47 minutos e balde de água fria para as águias.

Depois do golo da equipa de Moreira de Cónegos os encarnados viram-se obrigados a subir ainda mais no terreno. No entanto, a eficácia continuava a ser um problema para o Benfica, bem como a originalidade no último terço do terreno e as oportunidades perigosas não surgiam.

Para contrariar isso mesmo, o técnico das águias apostou no regresso aos relvados de Gedson Fernandes. O médio entrou para o lugar de Fejsa para tentar mexer na partida e dar a volta ao resultado.

O médio português entrou bem na partida e até podia ter logo marcado. Apesar de estar longe do ritmo indicado e a que habituou os adeptos, Gedson ia interligando bem o meio-campo e o ataque.

Aos 76 minutos foi a vez de Pizzi sair para dar lugar a Caio Lucas. Bruno Lage começava a meter a carne toda no assador quando o tempo era cada vez menos.

O Moreirense ia fazendo o seu jogo, marcou após um lance com um pouco de sorte, mas agora ia aproveitando a falta de inspiração do Benfica e mantinha uma boa exibição coletiva. Muito coesos defensivamente e sempre muito sacrificados iam fazendo o seu jogo.

Apesar desta coesão, o golo forasteiro chegou mesmo ao minuto 84. Lançamento na linha lateral direita e Rúben Dias e Rafa a trocarem de papéis. O central recebeu, levantou a cabeça e cruzou para o extremo português cabecear para o fundo da baliza. 1-1 em Moreira de Cónegos e jogo em aberto.

A seguir ao golo Bruno Lage voltou a apostar tudo. Tirou Andrá Almeida, que já tinha amarelo, e colocou Jota para apostar tudo na vitória.

O Benfica tanto insistiu que conseguiu mesmo dar a volta. Rúben Dias colocou uma bola longa na esquerda. Jota recebeu, puxou para o pé direito e cruzou tenso. Na área apareceu Seferovic com um grande cabeceamento e a concretizar a cambalhota no marcador. 1-2 aos 90+1.

O golo tardio das águias foi mesmo o último momento de destaque do jogo. O Moreirense ainda tentou empatar ao bater para a área adversária, mas sem sucesso. Os Cónegos foram mais equipa, mais coesos, mas a qualidade individual dos jogadores encarnados veio ao de cima. 15 minutos à Benfica chegaram para levar os três pontos para a Luz apesar da má exibição coletiva.

 

Francisco Carvalho

Desde tenra idade que duas paixões me cativaram, desporto e a escrita, sendo a sua união o cenário ideal. Cedo percebi que com esforço e dedicação poderia juntar uma paixão a uma profissão, sendo o jornalismo a resposta. Numa geração onde a banalização e a desvalorização da informação são recorrentes, quero mostrar a relevância do mundo jornalístico em toda esta sociedade cativante que nos rodeia.

Deixe uma resposta