Quem te viu e quem te vê: Meyong Ze

Albert Meyong Ze. Um nome com significado para todos os adeptos de futebol em Portugal. Nome de um avançado goleador e de um jogador com uma aura de respeito e simpatia conquistada por mérito próprio no futebol português. Um camaronês que chegou ao Vitória de Setúbal com 19 anos e, depois de uma carreira longa em que percorreu vários clubes e países, continua a viver em Portugal e a trabalhar no clube que primeiro o contratou.

Depois de dar nas vistas no Canon Yaoundé, clube da sua cidade e um dos mais reputados do futebol camaronês, Albert Meyong rumou a Itália em 1998, onde representou o Ravenna da Serie B italiana. Depois dessa passagem pouco feliz pelo futebol italiano, o avançado chegou a Portugal em janeiro de 2000 para representar o Vitória Futebol Clube.

Foi nesse mesmo ano, em setembro, que Meyong conquistou algo de que muito poucos futebolistas na história se podem gabar: o avançado fez parte da seleção dos Camarões que conquistou a medalha de Ouro nos Jogos Olímpicos de Sydney, batendo equipas como Brasil e Espanha. Esse foi seguramente, um dos pontos mais altos da carreira de Meyong e chegou ainda antes de o avançado completar 20 anos. Nas camadas jovens camaronesas, o avançado dividia a frente de ataque com… Samuel Eto’o.

Há um nome incontornável na carreira do jogador: Jorge Jesus. O técnico treinou o camaronês na sua primeira passagem por Setúbal, voltou a encontrá-lo no Belenenses e, por fim, foi buscá-lo na época em que esteve no Braga. Em entrevista ao Maisfutebol, depois de pendurar as botas, Meyong confessou que Jorge Jesus foi o treinador mais importante da sua carreira e aquele que mais o ensinou.

Na sua primeira passagem pelo Vitória, Meyong fez 60 golos em cinco temporadas e meia, sendo que duas dessas foram passadas no segundo escalão.

Em 2004/05, outro momento relevante na carreira do camaronês: a conquista da Taça de Portugal pelo Vitória, na final frente ao Benfica. Meyong apontou o golo da vitória, num momento histórico para o clube sadino.

Na temporada seguinte, o avançado, na altura com 25 anos, mudou-se para o Belenenses, onde fez uma das melhores temporadas da carreira, tendo sido o melhor marcador do campeonato, com 17 golos. Esta brilhante época atraiu clubes estrangeiros, e Meyong estava pela primeira vez de saída do campeonato português, para rumar ao Levante, da Liga Espanhola. A sua passagem por Espanha não foi feliz. Depois de uma época em que só participou em 11 jogos e marcou um golo, Meyong acabou por ser emprestado ao Albacete.

Em janeiro de 2008, a sua nova passagem pelo clube do Restelo ficou marcada pela polémica daquele que ficou conhecido por “Caso Meyong”. O Belenenses inscreveu e utilizou o avançado num jogo frente à Naval 1º de Maio. Meyong até marcou um golo decisivo nesse jogo, mas a sua utilização era ilegal, uma vez que o Belenenses era o terceiro clube que Meyong representava numa só temporada desportiva, depois de Levante e Albacete. Isto levou a que o clube fosse penalizado com a perda de seis pontos.

O goleador não voltou a jogar pelos azuis e, na época seguinte, rumou a Braga. No Minho, o camaronês voltou a ser feliz com Jorge Jesus na primeira época e, no ano seguinte, uma peça importante na equipa de Domingos Paciência que disputou o campeonato até à última jornada, conseguindo um histórico segundo lugar. Foi, nestas duas épocas, o melhor marcador do Braga no campeonato.

Depois de uma época difícil em Braga, com pouco tempo de jogo, o clube minhoto acabou por libertar o avançado em dezembro de 2011. Na época seguinte, em Setúbal, Meyong renasceu para o futebol e em janeiro tinha 13 golos apontados no campeonato em apenas 16 jogos. Foi nesta altura que surgiu uma proposta do Kabuscorp SC e Meyong rumou a Angola, onde jogou durante três anos, tendo sido o melhor marcador do campeonato em dois deles. Em 2016, já em fim de carreira, o camaronês regressou ao Bonfim, para fazer uma época e meia no “seu” Vitória.

A passagem pela seleção dos Camarões é algo discreta na carreira de Meyong, mas ainda assim, depois da brilhante conquista olímpica, o avançado ainda chegou a jogar e a marcar numa CAN, em 2006, com a a sua seleção a ser eliminada nos quartos de final.

Atualmente, o ex-jogador continua em Portugal a representar o Vitória Futebol Clube, onde se tornou um jogador emblemático e muito acarinhado por todos os adeptos. Desde 2017, é treinador adjunto dos sadinos, trabalhando com o antigo colega de equipa Sandro Mendes.

Albert Meyong Ze é um caso cada vez mais raro no futebol português. É cada vez mais difícil um jogador que brilhe numa equipa média do campeonato não ser aproveitado por um dos três grandes. Meyong tornou-se herói de um clube histórico em Portugal e, depois de terminar a carreira, ficou em Portugal, que já é agora a sua casa… O futebol português precisa de mais Meyongs!

Francisco Madureira

Nascido em Lisboa, sou louco por futebol desde que me lembro. Tenho mais jeito para ver e escrever do que para jogar. Cedo aprendi que é um jogo cruel, mas é também isso que o torna belo. Atualmente a licenciar-me em Ciências da Comunicação.

Deixe uma resposta