Crónica Benfica vs Vitória Setúbal – Na falta de protagonistas surge um… o árbitro

Pelas 19h do passado Sábado, Benfica e Vitória de Setúbal defrontaram-se no Estádio da Luz, num jogo relativo à sétima jornada do campeonato nacional. O árbitro da partida foi Tiago Martins.

O Benfica alinhou com: Vlachodimos, Almeida, Rúben Dias, Ferro, Grimaldo, Pizzi, Taarabt, Fejsa, Rafa, Gedson e Seferovic. A novidade era a continuidade de Gedson no onze titular após os 90 minutos jogados na Taça da Liga e desta vez em apoio ao ponta de lança suíco.

O Setúbal apresentou o seguinte onze: Makaridze, Sílvio, Artur Jorge, Bruno Pires, André Sousa, Semedo, Hildeberto, Leandrinho, Nuno Valente, Mansilla e Hachadi. Um 4-1-4-1 que dava grande estabilidade defensiva à equipa.

Uma entrada de jogo dominada pela vontade do Benfica de se impor, mas sem os argumentos em campo para verdadeiramente ameaçar a baliza dos sadinos. A posse de bola gradualmente estabilizou entre as duas equipas, com as tentativas falhadas dos encarnados em criar chances de golo e a estabilização do Vitória no jogo.

Dois cartões amarelos para ambas as equipas e uma primeira parte onde pouco se poderia aproveitar ofensivamente. O esquema do Vitória quebrou os movimentos no último terço do Benfica e os encarnados pouco de diferente tentaram fazer, especialmente com a eficaz marcação cerrada a Pizzi e Taarabt.

Na segunda parte Bruno Lage retirou Fejsa para colocar Gabriel numa tentativa de estimular a criatividade no meio campo do Benfica e dominar a posse de forma mais ofensiva.

Acabou por ser o Setúbal a testar por duas vezes os nervos de Vlachodimos com dois bons remates no ínicio do segundo tempo, ambos passando perto do alvo, mas apenas na malha lateral.

Aos 56 minutos Rafa é derrubado na área dos sadinos sem nada ser assinalado, para grande insatisfação tanto dos atletas como dos adeptos que discordaram da decisão do árbitro. O VAR ainda foi consultado mas a decisão manteve-se.

À passagem da hora de jogo, o técnico dos encarnados lançou Carlos Vinícius, uma das grandes novidades para este jogo, regressando após uma lesão que o afastou dos relvados durante um mês. Saiu Pizzi, que pouco influenciou a partida, para dar lugar ao ponta de lança brasileiro.

Minutos depois da substituição, aos 63, o avançado brasileiro finta Makaridze com um gesto técnico de classe e coloca a bola no fundo da sua baliza. Tinham sido vários os cantos e lances de aproximação criados pelos encarnados nesta fase do jogo, onde estavam claramente a dominar a partida em busca do golo. A entrada do brasileiro revelou-se uma decisão triunfal por parte de Bruno Lage.

Em resposta aos constantes avanços do Benfica, pouco depois do 1-0, Acácio Santos lançou Zequinha para o lugar de Hildeberto, Carlinhos no lugar de Leandrinho, Nabil Ghilas no lugar de Hachadi, no espaço de nove minutos.

Chegando a reta final da partida e com o Benfica ainda em cima da oposição mas já com menos vigor e critério, Lage lançou o jovem Tomás Tavares para o lugar do capitão André Almeida como forma de refrescar o lado direito da sua equipa, ao minuto 78.

Eis que o jogo vira completamente. Ao minuto 80 Adel Taarabt é expulso por conduta violenta na forma como disputa uma bola, levantando uma das solas da bota, ferindo o adversário. A decisão foi muito contestada e audivelmente criticada pelos adeptos no estádio do Benfica, com o árbitro novamente a hesitar para o VAR confirmar a sua decisão, mas sem a alterar.

Assim, o Vitória cresceu na partida e começou a tentar repor a igualdade no marcador. A fadiga era evidente nos atletas do Benfica, especialmente no caso de Rafa que ficou a coxear dentro de campo nos últimos minutos da partida.

Vlachodimos recebeu um amarelo polémico por perda de tempo, justificando-se com o comportamento semelhante do guarda-redes do Vitória durante a partida. Foi o último cartão amarelo dado na partida, sendo anteriormente admoestados também Mansilla e Semedo do lado do Vitória e Grimaldo no Benfica.

Foram dados cinco minutos de compensação, com a indicação do árbitro que passariam a ser sete, para a confusão de muitos espetadores. Acabou por encerrar a partida à passagem dos 95 minutos e meio, com um Benfica a defender da melhor forma possível e a gerir a vantagem mínima.

Finda a partida, os encarnados sobem à liderança do campeonato com 18 pontos, aguardando os resultados de Famalicão e Porto que podem ultrapassá-los em caso de vitória nesta jornada.

O Vitória de Setúbal desceu ao 12º lugar da tabela com sete pontos, apenas três acima da zona de descida no campeonato.

José Horta

Não nasci a gostar de futebol, mas quando comecei nunca mais quis outra coisa. Algarvio de nascença mas adepto do futebol para além daquele que se joga na praia. Sempre atento aos contornos e novidades do "Desporto Rei", "Beautiful Game" ou lhe quiserem chamar. Aluno universitário de Ciências da Comunicação na FCSH.

Deixe uma resposta