Ferro teve cabeça para cumprir os serviços mínimos

O Benfica foi a Tondela vencer pela margem mínima depois de uma exibição desinspirada, que foi salva por um golo de cabeça de Ferro ainda na primeira parte. A pressão fica agora do lado do FC Porto e do Famalicão, que viram o Benfica isolar-se na classificação provisoriamente.

Após a importante vitória a meio da semana frente ao Lyon num jogo a contar para a 3ª jornada da fase de grupos da Liga dos Campeões, o Benfica entrava em campo personalizado devido às lesões de Rafa e Raúl de Tomás. Bruno Lage começou com Vlachodimos, André Almeida, Ferro, Rúben Dias, Grimaldo, Florentino, Gabriel, Taarabt, Cervi, Pizzi e Seferovic.

Já a equipa de Natxo González, sexta classificada do campeonato, ia a jogo com Cláudio Ramos, Moufi, Yohan Tavares, Bruno Wilson, Filipe Ferreira, Sampaio, Murillo, João Pedro, Pepelu, António Xavier e Denilson.

As águias entravam em campo sabendo que horas mais tarde FC Porto e Famalicão defrontavam-se, pelo que uma vitória em Tondela era muito importante. Afinal, um empate, por exemplo, entre dragões e famalicenses poderia colocar os encarnados isolados na liderança do campeonato.

Por isso mesmo o Benfica entrou em campo dominante, tentando impor desde cedo um ritmo elevado e sempre com a bola em circulação. Logo aos dois minutos, Pizzi aqueceu as luvas de Cláudio Ramos, que se teve que esforçar.

Apesar desta entrada forte, os da casa não estavam em campo para dar os três pontos de mão beijada às águias e nos primeiros 10 minutos estiveram por duas vezes perto do golo.

Aos nove minutos, numa jogada de contra-ataque, António Xavier variou rápido de flanco para Murillo, que deixou no meio para Denilson. O avançado surgiu na cara de Vlachodimos, mas o grego não tremeu.

Apenas um minuto depois foi a vez de António Xavier por o guardião encarnado à prova, com um bom remate de fora de área. Vlachodimos afastou para canto. O Tondela ia justificando o bom início de campeonato.

O Tondela ameaçou, mas foi mesmo o Benfica a marcar. Aos 18 minutos, Grimaldo bateu o canto da esquerda com conta, peso e medida para a cabeça de Ferro, que com um grande cabeceamento fez o primeiro da tarde. 1-0 em Tondela.

O golo forasteiro acabou por retirar alguma qualidade técnica ao jogo, que ficou mais combativo, especialmente no centro do terreno. O Tondela não se encolheu com o golo e mostrava estar confortável com a bola no pé. Ao minuto 27 Florentino viu amarelo depois de uma entrada atrasada sobre Murillo.

Bruno Lage não estava a gostar da passividade encarnada após o golo e ia dando ordens à equipa que se mexesse mais e melhor no meio-campo. A verdade é que depois do golo o Benfica diminiu em muito o ritmo e baixou as linhas, permitindo aos da casa terem mais bola.

A passividade era tal, que aos 39 minutos o Tondela ia mesmo marcando depois de uma oferta da defensiva das águias. Ferro fez um mau passe e Denilson surgiu à entrada da área, o remate saiu muito fraco para as mãos de Vlachodimos, mas o aviso ficou dado.

Chegou o intervalo, mas o técnico das águias tinha razões para estar preocupado. Apesar da entrada forte e do golo de Ferro, o Benfica estava acomodado com o resultado. Algo tinha que ser mudado para não se ser surpreendido.

Começaram os segundos 45 minutos e o Benfica parecia estar com outra atitude. Apesar de continuar com hesitações na hora da finalização, a equipa encarnada era quem ditava agora o ritmo do jogo e quem ia mantendo a posse de bola, à espera que a formação de Tondela abrisse um espaço na sua defesa bem organizada.

Foi um bom início de segunda parte para as águias, mas com o passar do tempo o jogo voltou a cair numa monotonia onde nenhuma das equipas conseguia fazer algo que fizesse a diferença. Por isso mesmo, Bruno Lage promoveu um regresso há muito esperado pelos adeptos encarnados. Ao minuto 65, Chiquinho, depois de se ter lesionado frente ao FC Porto em agosto, voltou aos relvados para o lugar de Taarabt e para tentar mexer na partida.

O médio português entrou com vontade e até tentou o golo de longe 10 minutos depois do seu regresso, no entsnto a bola saiu fácil para Cláudio Ramos.

Chegados os últimos 10 minutos da partida, era agora a vez do Tondela fazer-se à vida por forma a retirar algo do jogo e quiçá surpreender o Benfica. O aproximar dos 90 minutos coincidiu com a fase faltosa das águias, que permitiram vários livres aos tondelenses nas imediações da sua área. Contudo, acabou por não conseguir criar perigo apesar das várias bolas bombeadas.

O Tondela tentou, mas mostrou-se sem inspiração para incomodar o Benfica nos instantes finais. Um jogo de fraca qualidade, onde os encarnados cumpriram apenas os serviços mínimos com o golo de cabeça de Ferro. Apesar disso, as águias isolaram-se no topo da tabela classificativa e ficam à espera de ver o que acontece na partida entre FC Porto e Famalicão.

 

Fonte da Imagem: Global Imagens

Francisco Carvalho

Desde tenra idade que duas paixões me cativaram, desporto e a escrita, sendo a sua união o cenário ideal. Cedo percebi que com esforço e dedicação poderia juntar uma paixão a uma profissão, sendo o jornalismo a resposta. Numa geração onde a banalização e a desvalorização da informação são recorrentes, quero mostrar a relevância do mundo jornalístico em toda esta sociedade cativante que nos rodeia.

Deixe uma resposta