Benfica assume liderança isolada em jogo tranquilo contra o Portimonense

Encarnados aproveitam deslize do Porto e garantem liderança isolada frente a um Portimonense desfalcado

Foi já depois de entrar em campo que a equipa do Benfica soube que um triunfo na receção ao Portimonense valeria a liderança isolada do campeonato à 9ª jornada, depois do empate do Porto nos Barreiros.

Nem por isso o jogo ganhou outra importância para a equipa de Bruno Lage, que entrou em campo com cinco mexidas em relação à equipa que venceu 1-0 em Tondela, no último domingo. Jardel por Ferro, Samaris por Florentino, Chiquinho por Pizzi, Gedson por Taarabt e Vinicius por Seferovic.

Para António Folha a missão também era complicada, já que o Portimonense não podia contar com Henrique, Júnior Tavares, Willyan, Paulinho, Dener e Jackson Martínez. Os algarvios apresentaram-se na Luz num esquema de três centrais e até tiveram a primeira grande oportunidade do jogo aos 11 minutos. Depois de um cruzamento do lado direito passar por toda a defesa do Benfica, o lateral japonês Koki Anzai apareceu sozinho ao segundo poste perante Vlachodimos, mas não conseguiu bater o guardião encarnado.

Depois deste aviso, o Benfica respondeu com o primeiro golo da partida. Na sequência de um canto de Chiquinho, Gabriel desviou a bola ao primeiro poste e André Almeida, sozinho, cabeceou para o fundo da baliza de Ricardo Ferreira. A primeira parte decorreu sem mais registo de grandes oportunidades. O Benfica ia vencendo e controlando a partida, mas sem deslumbrar os cerca de 42 mil adeptos que estiveram na Luz.

Já no início do segundo tempo, tudo mudou. Uma entrada fulgurante do Benfica valeu o segundo golo à equipa da casa. Depois de uma bola na barra de André Almeida (novamente de cabeça na sequência de um canto), Grimaldo cruzou para a área onde apareceu Rúben Dias, que se antecipou à defesa do Portimonense e finalizou de pé direito.

Alguns minutos depois foi Chiquinho a ficar perto de marcar, após passe de Cervi. O Benfica mostrava dinâmica, envolvimento e alguns bons momentos ofensivos. Aos 63′, o momento do jogo. Grimaldo faz um passe soberbo, bem dentro do meio-campo encarnado a isolar Vinicius. O brasileiro, calmamente, passou por Ricardo Ferreira e fez o mais fácil. A assistência do lateral espanhol merece ser vista e revista.

Nem dois minutos tinham passado depois do golo e Grimaldo volta a fazer um passe em profundidade para Chiquinho, que de primeira, cruza com a parte de fora do pé direito para Vinicius aparecer no coração da área e, de pé esquerdo, bisar na partida. Novamente Grimaldo na jogada e Chiquinho a coroar a excelente exibição com uma assistência para o bis de Vinicius. Os três melhores elementos do Benfica no jogo, envolvidos na jogada do quarto golo.

A partir deste momento, o Benfica limitou-se a gerir o resultado, com destaque para mais uma boa oportunidade para Gedson, aos 80′. Ainda entraram na partida Seferovic, Pizzi e Jota para os encarnados, numa rotação já a pensar nos próximos jogos. O Portimonense foi inofensivo e pouco conseguiu fazer na segunda parte, não tendo criado oportunidades dignas de registo.

Depois de uma primeira parte calma e sem grandes oportunidades, na segunda metade o Benfica jogou bom futebol e criou significativamente mais do que nas últimas partidas, o que é um bom indicador para Bruno Lage. Depois dos últimos jogos e das conferências do técnico, para o Benfica, quase tão importante como vencer era apresentar uma boa exibição. Esse objetivo foi conseguido pelos encarnados, num jogo em que a equipa pode ter ganho algumas soluções ofensivas importantes, para reverter o mau momento exibicional. Resta ver como será dada continuidade a estes sinais positivos já no próximo sábado frente ao Rio Ave e, na semana seguinte, em Lyon.

Francisco Madureira

Nascido em Lisboa, sou louco por futebol desde que me lembro. Tenho mais jeito para ver e escrever do que para jogar. Cedo aprendi que é um jogo cruel, mas é também isso que o torna belo. Atualmente a licenciar-me em Ciências da Comunicação.

Deixe uma resposta