Águias enfrentam mês de calendário apertado após o regresso das seleções

Os clubes costumam aproveitar as pausas internacionais para descansar jogadores, fazer experiências e até para aperfeiçoar pormenores táticos. Ora o Benfica nesta pausa terá que se preparar para um ciclo muito apertado do seu calendário, uma vez que em menos de um mês, a equipa terá pelo menos oito jogos entre as várias competições, podendo mesmo chegar aos nove jogos.

Este mês de exigência para a equipa encarnada começa já no próximo dia 23 de novembro, quando as águias se deslocarem ao terreno do Vizela em jogo a contar para a Taça de Portugal. Caso se confirma a passagem do Benfica à próxima fase, o número de jogos em menos de um mês ascende para os nove, realizando a equipa de Bruno Lage a próxima eliminatória da Taça entre os dias 17, 18 e 19 de dezembro.

Pelo meio, e até ao dia 21 de dezembro, o Benfica terá pela frente três jornadas da Liga NOS – frente ao Marítimo, Boavista e Famalicão, por esta ordem respetivamente – duas jornadas da fase de grupos da Taça da Liga – frente ao Sporting de Covilhã e Vitória de Setúbal – e ainda as duas últimas jornadas da fase de grupos da Liga dos Campeões – frente ao Leipzig e ao Zenit – na qual as águias estão na obrigação de vencer se querem permancer na competição.

A estes soma-se ainda essa tal possibilidade de um novo jogo para a Taça de Portugal, caso o Benfica vença o Vizela no próximo dia 23 de novembro.

Adversário Data Competição
Vizela (F) 23 de novembro Taça de Portugal
RB Leipzig (F) 27 de novembro Liga dos Campeões
Marítimo (C) 30 de novembro I Liga
Sp. Covilhã (F) 3 de dezembro Taça da Liga
Boavista (F) 6 de dezembro I Liga
Zenit (C) 10 de dezembro Liga dos Campeões
Famalicão (C) 15 de dezembro (data por confirmar) I Liga
(em caso de qualificação) 17, 18 ou 19 de dezembro Taça de Portugal
V. Setúbal (F) 21 de dezembro (data por confirmar) Taça da Liga

Francisco Carvalho

Desde tenra idade que duas paixões me cativaram, desporto e a escrita, sendo a sua união o cenário ideal. Cedo percebi que com esforço e dedicação poderia juntar uma paixão a uma profissão, sendo o jornalismo a resposta. Numa geração onde a banalização e a desvalorização da informação são recorrentes, quero mostrar a relevância do mundo jornalístico em toda esta sociedade cativante que nos rodeia.

Deixe uma resposta