Crónica – Luiz Phellype entra e resolve

O Sporting defrontou o Moreirense, num jogo a contar para a 13ª jornada do campeonato. Os leões saíram vencedores da partida em que Luiz Phellype acabou por ser o homem chave ao marcar o golo decisivo.

Silas mexeu no onze em relação à última partida e apresentou: Luís Maximiano; Ristovski, Neto, Mathieu e Borja; Bruno Fernandes, Doumbia, Wendel e Vietto; Jese e Bolasie.

Já Vítor Campelos apresentou: Pasinato; Aurelio, Iago, Vitória e Conte; Singh, Pacheco, Soares e Machado; Pedro e Abreu.

O jogo começou e começou lento. Aliás muito lento. Pouco ou nada se viu de futebol durante a primeira parte. Contudo, apesar de um jogo bastante calmo, logo aos 11 minutos o Sporting viria a marcar. Grande passe isola Borja que cruza para dentro de área e com toda a tranquilidade Bolasie só teve de encostar. No entanto o golo foi anulado depois de ir ao VAR. Borja esteva um pouco adiantado e por isso o golo não contou.

Passados 10 minutos Bolasie teve outra grande oportunidade. Um grande cruzamento de Bruno Fernandes descobre o avançado nas costas da defesa e Bolasie com um grande cabeceamento manda para as mãos do guarda redes do Moreirense. Passados dois minutos foi a vez do guarda-redes leonino brilhar. Luther isolado falha na cara de Maximiano. Na sequência deste lance, Luís Neto acabou por sair lesionado de maca. Posto isto entrou Coates para o lugar do central português.

O jogo continuava muito partido. O Moreirense pouco atacava e o Sporting não tinha muita objetividade. Mas a partir primeira meia hora isto mudou um pouco. Aos 29 minutos Bruno teve uma grande oportunidade, levando a bola em vantagem, mas decidiu fazer-se à falta e tentar sacar o penalti. Não foi bem sucedido. Passados três minutos surge mais um lance duvidoso. Bolasie cai na área e reclamou também por penalti, mas o árbitro nada assinalou. Logo a seguir sai um amarelo para Vietto. O argentino praticou jogo perigoso e acabou por ver a cartolina. A seguir vinha um momento de inspiração. Jese consegue tirar da frente dois adversários, mas o remate sai fraco. Na sequência desta jogada Vitória vê também o cartão amarelo por entrada forte a Bruno Fernandes.

O árbitro acabou por dar sete minutos de compensação devido à pausa no jogo por causa do Neto. Nestes minutos o Sporting ainda tentou marcar, mas sem sucesso. Um livre batido pelo capitão leonino apenas precisava de um desvio para ser golo, mas ninguém se fez à bola. O árbitro apitava e as equipas iam para o balneário.

Começou a segunda parte e o Sporting apresentou outra atitude. Logo no inicio do segundo tempo surge um livre perigoso para o clube da casa. Mathieu assumiu e avisou. O remate saiu ao poste, mas se fosse golo o guarda-redes não tinha hipótese nenhuma. Aos 50 minutos de jogo aparece uma sequência de cartões. Primeiro para Borja por uma entrada perigosa e depois para Iago. Durante este tempo voltou-se a ver um pouco do futebol que tinha sido praticado durante a primeira parte. Muito partido, sem objetividade e às vezes pouco organizado.

Contudo, com a entrada de Luiz Phellype isto mudou. Jese deu lugar ao avançado e o Sporting mostrou claramente outra faceta. Começou com Vietto. O argentino inspirou-se e rematou mas do outro lado o guarda-redes estava à altura. De seguida veio a resposta do Moreirense mas Maximiano mostrou que também estava presente. Os leões agora tinham outra atitude. Estavam a fazer muita mais pressão, não dando opções à comitiva de Vítor Campelos e estavam claramente por cima. O treinador da equipa visitante tentou mudar esta ideia ao lançar Alex Soares, mas sem sucesso até porque o golo do Sporting estava a chegar.

Mathieu cruza e Luiz Phellype, com um grande cabeceamento, mete a bola no fundo da baliza. Pasinato não tinha quaisquer hipóteses.

O Sporting não relaxou e queria mais. Bolasie também avisou o guarda-redes do Moreirense a estar atento com um remate que passou mesmo muito perto do ângulo. Se a vida do Moreirense estava difícil, com menos 1 ficava ainda pior. Iago viu o segundo amarelo e acabou por ser expulso.

Depois disto, o Sporting apenas teve de controlar o jogo até ao apito final. Silas ainda lançou Rafael Camacho para o lugar de Vietto e Campelos lançou Bilel e Nene para os lugares de Luís Machado e Abreu, respetivamente.

Já no fim Bruno Fernandes inspirou-se e isolou com um passe de trivela Luiz Phellype mas o avançado não conseguiu finalizar bem a jogada. O árbitro apitou e o Sporting arrecadou os três pontos ficando assim apenas a um ponto do terceiro lugar ocupado pelo Famalicão.

Apesar de Luiz Phellype ter marcado o golo decisivo, é preciso dar destaque também a Mathieu. O defesa central esteve imparável durante o jogo todo quer na defesa quer no ataque. Um senhor que comandou bem equipa.

João Marques

Nasci nos Açores, mais propriamente na Ilha Terceira. Actualmente estou a estudar Ciências da Comunicação na NOVA FCSH. O desporto nasceu comigo e a paixão pelas letras já vem desde tenra idade.