Crónica: Benfica empata uma vez mais e está fora da final four da Taça da Liga

Benfica deixa os  três pontos fugir no Bonfim na fase final de um jogo cujo resultado era irrelevante para a classificação de ambas as equipas devido à vitória do Guimarães.

À entrada para a última jornada da fase de grupos, o Benfica, terceiro classificado do Grupo B, necessitava que o Guimarães empatasse com o Covilhã e de ganhar por uma diferença de 3 ou mais golos ou que os vimaranenses perdessem e, nesse caso, qualquer vitória era suficiente para continuar na Taça da Liga. A equipa da casa, o Setúbal, último classificado do Grupo B, estava já eliminado da competição.

Bruno Lage colocou em campo um 11 inicial composto maioritariamente por jogadores pouco utilizados esta época: Zlobin, Tomás Tavares, Morato, Jardel, Nuno Tavares, Florentino, Gedson, Caio Lucas, Jota, Seferovic e Raul de Tomás.

Já os titulares escolhidos por Julio Velázquez, pelo contrário, foram jogadores que têm tido mais minutos ao longo da época: Makaridze, Sílvio, Jubal, João Meira, Nuno Pinto, Carlinhos, Éber Bessa, José Semedo, Mansilla, Hildeberto e Hachadi.

A primeira ocasião de perigo foi protagonizada por Hildeberto (que ao minuto 40 foi substituído por Zequinha na sequência de uma lesão muscular) no 10º minuto. A defrontar a sua antiga equipa, o extremo, numa boa jogada individual, subiu pela ala direita, cortou para dentro e rematou já dentro da grande área à malha lateral da baliza dos encarnados.

Ao minuto 19, num livre direto não muito distante da grande área cobrado por Gedson, a bola passou muito perto do poste direito de Makaridze.

A primeira parte foi muito pobre em termos de oportunidades de golo e ficou marcada por um equilíbrio entre as duas equipas e um ritmo de jogo lento.

O marcador foi inaugurado no início da segunda parte, ao minuto 49. Carlinhos, numa tentativa desastrosa de atrasar a bola para o seu guarda-redes, isolou Raul de Tomás que, no cara a cara com Makaridze, não perdoou e rematou para o fundo das redes.

No minuto 70, através de um passe longo de Gedson e de uma má abordagem ao lance de Bruno Pires, (tinha acabado de substituir João Meira) Seferovic ganhou a bola perto da marca de grande penalidade e conseguiu picá-la por cima de Makaridze mas esta acabou por ir ao poste.

À passagem do minuto 73, o Benfica ampliou a sua vantagem. Chiquinho (entrou 10 minutos antes para o lugar de Caio Lucas) recuperou a bola perto da bandeirola de canto do flanco esquerdo do campo e passou-a para Jota que, já dentro da grande área setubalense mas de ângulo apertado, executa um fabuloso remate em arco e bate o guardião georgiano.

Ao minuto 83, o Setúbal reduziu a sua desvantagem. Mancilla, a partir da ala esquerda, arrancou um cruzamento que Zlobin tentou (e deveria) agarrar, porém, não o conseguiu fazer e Hélder Guedes (substituiu Hachadi 4 minutos antes) cabeçeou à vontade para dentro da baliza.

Contudo, o melhor momento da noite surgiu apenas no minuto 92. Novamente servido por um passe longo de Mansilla vindo da esquerda e desta vez com um erro de Morato que não conseguiu intercetar a bola, Hélder Guedes recebe a bola de peito ainda de fora de área e, com um remate acrobático fabuloso, bate uma vez mais o jovem guarda-redes russo, fixando o resultado final em 2-2. Seguramente um dos golos da época.

Importante ainda destacar o facto de Bruno Lage ter promovido duas estreias neste jogo. Foram elas a de Morato, que alinhou no centro da defesa ao lado de Jardel de início e de Tiago Dantas que entrou para o lugar de Jota no minuto 85.

Devido à vitória caseira do Guimarães por 3-0 ao Covilhã, jogo que também se realizou às 20:00, não havia também qualquer hipótese de apuramento para o Benfica e a classificação final do Grupo B foi a seguinte:

  1. Guimarães – 7 pontos
  2. Benfica – 3 pontos
  3. Setúbal – 2 pontos
  4. Covilhã – 2 pontos

 

Fonte da Imagem SL Benfica

Simão Vitorino

Nasci e cresci em Vila Franca de Xira e estou atualmente a tirar uma licenciatura em Ciências da Comunicação na faculdade NOVA FCSH com o objetivo de me tornar jornalista desportivo no futuro, profissão que une duas grandes paixões minhas - o futebol e a escrita.