Tomás Tavares: “Seria especial ir ao Marquês como jogador. Já lá estive como adepto”

Tem aproveitado a ausência do habitual titular na lateral direita encarnada, André Almeida, e é já uma opção frequente de Bruno Lage, tal como apontado como um dos jovens mais promissores a sair da cantera das águias. Tomás Tavares abriu o seu coração e concedeu uma entrevista ao jornal A Bola, onde falou de tudo um pouco, como da possibilidade de celebrar um título no Marquês de Pombal.

O jovem lateral de 18 anos confessou que “não estava à espera” de representar já esta época a equipa principal do Benfica, principalmente depois de ter falhado a pré-temporada, por se encontrar a disputar o Campeonato da Europa de sub-19 por Portugal.

Não estava à espera, confesso. Cheguei mais tarde e era suposto integrar o plantel da equipa B. Quando me ligaram a dizer que estava nos planos para entrar na equipa principal fiquei muito feliz, liguei logo à minha família e claro que foi um momento de muito orgulho“, afirmou.

Apesar de orgulhoso deste “salto“, Tomás Tavares não esquece o papel que o seu agora treinador Bruno Lage teve, com a qual até trabalhou nas camadas jovens do clube: “Bruno Lage foi um treinador que me ajudou bastante, acreditou em mim, diz-me sempre para jogar tranquilo, ser feliz em campo e se assim for as coisas correm bem“.

Quanto ao futuro, o lateral pretende juntar o título de campeão nacional pela Benfica a um palmarés onde já conta com um título nacional nos juvenis e outro nos iniciados, no entanto recusa dar o título como garantido e deixa um desejo para o final da temporada. “Ainda temos muitos jogos, muito campeonato pela frente. E temos que nos guiar pelo exemplo da época passada, em que o Benfica esteve sete pontos atrás e foi campeão. É como diz o mister, pensar jogo a jogo, ter os pés bem assentes na terra. Mas claro que seria momento bastante especial ir ao Marquês, desta vez como jogador. Já lá estive como adepto”, concluiu.

Esta época Tomás Tavares soma 15 jogos ao serviço da equipa principal do benfica, incluindo cinco deles na Liga dos Campeões.

Francisco Carvalho

Desde tenra idade que duas paixões me cativaram, desporto e a escrita, sendo a sua união o cenário ideal. Cedo percebi que com esforço e dedicação poderia juntar uma paixão a uma profissão, sendo o jornalismo a resposta. Numa geração onde a banalização e a desvalorização da informação são recorrentes, quero mostrar a relevância do mundo jornalístico em toda esta sociedade cativante que nos rodeia.