Quem te viu e Quem te vê: Bruno Martins Indi

No “Quem te viu e Quem te vê” desta semana, iremos falar de Bruno Martins Indi, internacional holandês que chegou à invicta como uma das contratações mais sonantes do verão de 2014, mas que nunca conseguiu convencer a plateia do Dragão.

2014 foi ano de mundial. Os olhos de todos os amantes de futebol estavam postos no Brasil, naquela que é, para muitos, a maior competição desportiva do planeta. Um dos jogos de maior destaque da fase de grupos foi entre espanhóis e holandeses. A selecção espanhola entrava em campo como bicampeã europeia e campeã do mundo, mas foi completamente destruída por cinco bolas a uma, pela Holanda de Van Gaal.

Além dos destaques habituais, como Van Persie e Arjen Robben, nesse jogo houve outro, algo surpreendente. Na sua estreia em grandes competições de selecções, Diego Costa, que vinha de uma época de sonho pelo Atlético de Madrid, foi completamente anulado por um jovem central de 22 anos, que jogava no Feyenoord. Jovem esse que dava pelo nome de Bruno Martins Indi.

Martins Indi ficou conhecido pelo seu duelo com Diego Costa

Ao longo da competição, o central continuou a realizar boas exibições e foi peça importante do 3º lugar alcançado pela Holanda, nesse ano. Dois dias após o término da competição, Martins Indi foi oficializado como reforço do FC Porto. Cerca de sete milhões, foi o necessário para adquirir o jogador. O holandês juntou-se a uma série de reforços sonantes, como Brahimi, Casemiro e Oliver, que haviam sido contratados nesse mesmo verão.

As expectativas eram altas mas, tal como toda a gente que acompanha o nosso futebol sabe, acabaram defraudadas. A “super-equipa” de Lopetegui falhou a conquista do título e, apesar da boa campanha na Liga dos Campeões, foi uma época marcada pela desilusão. A nível individual, Martins Indi não conseguiu encantar a massa associativa portista. Apesar de várias exibições bem conseguidas, os diversos erros cometidos por faltas de concentração incompreensíveis àquele nível não deixavam o jovem central afirmar-se.

Na sua segunda temporada nos dragões, nada correu bem, quer a nível colectivo, como individual. Os azuis e brancos somaram mais uma época sem vencer qualquer título, terminando em 3º lugar no campeonato e até a prestação na liga milionária foi uma desilusão, tendo sido eliminados na fase de grupos. Para Martins Indi, essa foi a época em que os adeptos portistas tiveram a confirmação de que o jogador era mais um flop. A quantidade absurda de erros cometidos pelo central tiraram a paciência às bancadas do Dragão e essa seria a última temporada de Martins Indi, com a camisola do Porto.

Um empréstimo ao Stoke City foi o que se seguiu e surgia ali uma grande oportunidade para o internacional holandês mostrar serviço numa das maiores ligas do mundo. O jogador conseguiu mostrar alguma qualidade e fez parte do excelente 13º lugar alcançado pelo Stoke, nessa temporada.

As boas exibições realizadas em Inglaterra conquistaram os dirigentes dos Potters e o central foi contratado ao Porto por 7,7 milhões de euros. Era a oficialização da despedida de Martins Indi do futebol português, três épocas depois de ter chegado, não deixando saudades à maioria dos adeptos portistas.

O jogador representa atualmente o Stoke City

Parecia uma oportunidade de redenção para o jogador que, com 25 anos de idade, iria jogar nos grandes palcos da Premier League. No entanto, não correu como o esperado. Numa época marcada por alguma lesões, Martins Indi realizou apenas 19 jogos e o Stoke City acabou por descer de divisão.

Passados dois anos desde a descida ao Championship, a equipa nunca mais se voltou a erguer e habilita-se mesmo a voltar a cair para a divisão abaixo. Martins Indi tem sido titular indiscutível da equipa nesse período de tempo, mas os resultados não aparecem. Depois de um 17º lugar alcançado na temporada passada, a formação comandada por Nathan Jones ocupa actualmente o 21º lugar da tabela e corre sérios riscos de não conseguir a manutenção.

E foi a este ponto que chegou a carreira de Bruno Martins Indi. Em tempos uma grande promessa do futebol mundial, o internacional holandês por 34 vezes encontra-se no patamar mais baixo da sua vida futebolística. Depois da passagem falhada pelo Porto, o jogador foi arrastado pela má gestão desportiva do Stoke e arrisca-se a jogar na League one na próxima temporada. Quem diria que aquele jovem de 22 anos que, meteu Diego Costa “no bolso”, seis anos depois estaria nesta situação.

Daniel Sousa

Nascido e criado na Ilha da Madeira e neste momento a estudar Ciências da Comunicação na FCSH. Com um gosto enorme pelo futebol e pela escrita, está sempre aberto a novos desafios.