Wolverhampton quer levar dupla portuguesa que atua na Grécia

A armada portuguesa do Wolverhampton de Nuno Espírito Santo pode estar muito perto de crescer, com o clube interessado no extremo Daniel Podence e no ponta-de-lança Nélson Oliveira.

Segundo avança esta segunda e terça-feira a imprensa inglesa, o acordo da formação inglesa por Daniel Podence, avançado do Olympiakos, estará mesmo iminente. O diário The Telegraph avança mesmo que o Wolves poderá cobrir a cláusula de rescisão de 25 milhões de euros do antigo jogador do Sporting.

Depois de Podence, foi a vez da Sky Sports avançar que o conjunto do Molineux está também interessado em Nélson oliveira, ponta-de-lança do AEK Atenas. A mesma fonte avança que o Wolves estará pronto para pagar cerca de sete milhões de euros ao clube grego, pelo avançado que já passou pelo Benfica e que esta temporada leva já 15 golos.

 

Benfica e Sporting aguardam negócios

Estes negócios do clube inglês com as formações gregas poderão ser de muito proveito para os rivais de Lisboa, o Benfica e o Sporting, que formaram os dois atletas em questão, pelo que terão direito a uma quota parte dos valores envolvidos.

Quanto a Podence, a confirmar-se o valor de 25 milhões de euros, os leões teriam direito a  1,125 M€ pelo facto de ter contado com o atacante entre os 12 e os 22 anos de idadade. Em causa está o mecanismo de Solidariedade da UEFA, que reserva 5% do valor da transferência para os clubes que formaram o atleta entre os 12 e os 23 anos. Assim, visto estar na Grécia há apenas um ano, o Olympiakos ficaria com 125 mil euros e a equipa de Alvalade com o restante.

Já Nélson Oliveira, faria chegar à Luz um total de 297 mil euros, caso a transferência seja feita por 7 milhões de euros. Também o Sporting de Braga teria direito a uma pequena parte devido ao atleta lá ter atuado por uma época.

 

Fonte da imagem: O Jogo

Francisco Carvalho

Desde tenra idade que duas paixões me cativaram, desporto e a escrita, sendo a sua união o cenário ideal. Cedo percebi que com esforço e dedicação poderia juntar uma paixão a uma profissão, sendo o jornalismo a resposta. Numa geração onde a banalização e a desvalorização da informação são recorrentes, quero mostrar a relevância do mundo jornalístico em toda esta sociedade cativante que nos rodeia.