Crónica: Porto sofre, mas consegue passagem para a final da Taça da Liga

Porto chegou a estar em desvantagem no marcador mas conseguiu carimbar a passagem à final da Taça da Liga com o VAR a invalidar um golo do Vitória ao cair do pano. Tapsoba, Alex Telles e Soares foram os autores dos tentos.

Começou no Estádio Municipal de Braga às 19:45 desta quarta-feira o encontro que decidiu a equipa que defrontará o SC Braga na final da Taça da Liga. O jogo colocou frente a frente o Vitória SC e o FC Porto e foi arbitrado por Jorge Sousa.

Sérgio Conceição fez três alterações em relação ao onze inicial apresentado na derrota contra o Braga na passada sexta-feira – saíram Marchesín, Manafá e Danilo e entraram Diogo Costa, Sérgio Oliveira e Luis Díaz. A equipa completa foi: Diogo Costa, Corona, Marcano, Mbemba, Alex Telles, Sérgio Oliveira, Uribe, Luis Díaz, Otávio, Soares e Marega.

Ivo Vieira, por sua vez, operou apenas uma mudança nos titulares – Rochinha foi substituído por Davidson. Os onze escolhidos foram então: Douglas, Victor Garcia, Tapsoba, Pedro Henrique, Florent, Pepê, André André, Lucas Evangelista, Edwards, Bonatini e Davidson.

O jogo começou muito bloqueado, com pouca chegada às áreas adversárias de parte a parte mas com maior domínio da posse de bola pelo Porto.

A primeira oportunidade de golo surgiu aos 20 minutos e foi protagonizada por Uribe. Mesmo estando bastante distante da área vimaranense, o colombiano não se acanhou e tentou a sua sorte. O remate saiu potente mas um pouco por cima da baliza.

Aos 33 minutos, Marega ameaçou o golo. O maliano recebeu a bola à entrada da grande área resultante de um ressalto e rematou de primeira, obrigando Douglas a ir ao chão e efetuar uma defesa apertada para o seu lado direito.

Aos 42 minutos, num livre na zona lateral direita do campo, Alex Telles cruzou a bola para o segundo poste. Mbemba respondeu ao passe longo do brasileiro com um cabeceamento perigosíssimo que só não deu em golo porque o guardião adversário fez uma enorme intervenção.

A fechar a primeira parte surgiu o primeiro remate do Guimarães na partida. Victor Garcia subiu pela ala direita e cruzou rasteiro para a área. A defesa portista deixou a bola passar e esta sobrou para Davidson que, de boa posição, não conseguiu acertar na baliza.

O primeiro tempo ficou assim marcado por uma superioridade portista, manifestada quer na posse de bola quer no maior número de ocasiões de golo. A segunda parte trouxe muito mais emoção e equilíbrio ao jogo, que ficou mais partido fruto dos golos e das substituições ofensivas operadas pelos dois técnicos.

Na cobrança de um livre direto próximo da grande área vimaranese aos 59 minutos, Sérgio Oliveira desferiu um remate cheio de efeito e força que passou ligeiramente por cima ângulo superior esquerdo da baliza de Douglas.

Na sequência de um lance disputado entre Soares e Bonatini dentro da área azul e branca, Jorge Sousa, após o VAR confirmar a sua decisão, assinalou penalti no minuto 65. Tapsoba não desperdiçou a oportunidade e enviou a bola para o fundo das redes.

Contudo a vantagem do Guimarães durou pouco tempo. Logo no minuto seguinte, a bola sobrou para Alex Telles que, de fora da área, num gesto técnico notável, rematou potente e rasteiro com a parte exterior do pé para o canto inferior direito direito da baliza, não dando qualquer hipótese de defesa ao guardião brasileiro.

O Porto consumou a reviravolta no marcador dez minutos depois do primeiro golo da partida. Corona recebeu um passe longo, arrancou quase até à linha de fundo dentro da área e passou para Soares que só teve de encostar para a baliza abandonada por Douglas, que havia saído aos pés do mexicano.

No minuto 84, através de uma boa jogada coletiva, o Vitória esteve próximo do golo. Poha (entrou para o lugar de André André) picou a bola para Florent que, por sua vez, passou para Davidson. Este último, já dentro da área, aplicou um bom remate que foi correspondido com uma intervenção de Diogo Costa de igual nível, afastando para canto.

No último minuto do tempo de compensação, João Pedro (substituiu Lucas Evangelista) levou os adeptos vimaranenses à loucura ao fazer abanar as redes dos dragões. Inicialmente, Jorge Sousa validou o golo, contudo, depois de rever as imagens, o árbitro assinalou falta do médio sob o guarda-redes português.

No conto geral, o resultado assinalado no marcador ajusta-se à exibição, tendo o Porto sido superior em praticamente todo o encontro, apesar de permitir algumas ocasiões de golo ao Vitória.

Com este resultado, o Porto vai encontrar o Braga na final da Taça da Liga que se realizará no próximo sábado.

Simão Vitorino

Nasci e cresci em Vila Franca de Xira e estou atualmente a tirar uma licenciatura em Ciências da Comunicação na faculdade NOVA FCSH com o objetivo de me tornar jornalista desportivo no futuro, profissão que une duas grandes paixões minhas - o futebol e a escrita.