Históricos: taça para Coimbra, 73 anos depois

Na rúbrica “Históricos” desta semana recordamos a final da Taça de Portugal, conquistada pela Académica de Coimbra, frente ao Sporting, na época de 2011/2012.

Já lá vão quase oito anos desde o fatídico dia 20 de Maio de 2012, dia com pouca história para muitos, mas inesquecível para as gentes de Coimbra. Dia da final da prova rainha do futebol português que colocou frente a frente Académica e Sporting. De um lado, tínhamos um Sporting a tentar salvar a sua época, que ficou marcada pelo quarto lugar no campeonato, frente a um adversário que procurava atingir a glória no Jamor, 73 anos depois.

Liderada por Pedro Emanuel, e com jogadores como Adrien Silva, Cédric Soares, Marinho e Edinho no seu plantel, a briosa fez uma campanha irrepreensível na Taça de Portugal. O ponto alto, além da vitória na final, foi mesmo a vitória por 3-0 frente ao FC Porto, na altura campeão nacional, no Estádio de Coimbra.

Nesse dia, tudo começou a correr na perfeição aos estudantes desde início. Nem cinco minutos de jogo estavam decorridos e já o sector ocupado pelas hostes conimbricenses estava em festa. Diogo Valente tirou o cruzamento e Marinho, solto no segundo poste, cabeceou para o fundo das redes da baliza de Rui Patrício.

A reacção leonina, simplesmente, não existiu. O golo madrugador influenciou pela negativa a formação comandada por Ricardo Sá Pinto, que foi uma autêntica nulidade durante todo o primeiro tempo. Prova disso foi o facto do primeiro remate enquadrado à baliza de Ricardo se ter dado apenas nos momentos finais da primeira metade.

A segunda parte, noutra nota, foi totalmente diferente daquilo que tínhamos visto anteriormente. As duas equipas começaram a dar mais espaços e tivemos a oportunidade de assistir a diversas ocasiões de golo, de parte a parte.

Primeiramente foi Edinho que, por duas vezes, falhou, de forma inacreditável, o golo que aumentaria a vantagem dos estudantes. De seguida, Ricky Van Wolfswinkel decidiu ser solidário com o seu colega de profissão e desperdiçou um par de boas ocasiões para empatar a contenda.

Na última metade do segundo tempo o Sporting assumiu, com naturalidade, o domínio da partida. No entanto, a Académica conseguiu ser extremamente competente e fechou todos os caminhos para a baliza de Ricardo. Quando tal não acontecia, o guardião português tratava de resolver a situação.

Nos momentos finais da partida, a equipa leonina começou a perder a cabeça e foram mais as quezílias com o árbitro do que os lances de perigo criados para evitar a derrota. Quando Paulo Baptista apitou para o final do encontro, a festa era da Briosa, enquanto o desalento dos milhares de sportinguistas no Jamor  era visível.

Adrien Silva, que se encontrava emprestado pelo Sporting, foi o melhor em campo e mostrou à direcção leonina que tinha qualidade mais do que suficiente para o plantel dos lisboetas. Após o jogo, a festa estendeu-se até Coimbra que pôde, 73 anos depois, voltar a festejar a conquista da Taça de Portugal.

 

Foto: Manuel de Almeida

Daniel Sousa

Nascido e criado na Ilha da Madeira e neste momento a estudar Ciências da Comunicação na FCSH. Com um gosto enorme pelo futebol e pela escrita, está sempre aberto a novos desafios.