Dragões conquistam Cidade do Berço e aproximam-se da liderança do campeonato

O FC Porto venceu o Vitória de Guimarães no Estádio D. Afonso Henriques por 2-1 e colou-se ao Benfica na liderança do campeonato, estando agora a apenas um ponto do primeiro lugar. O jogo ficou ainda marcado por um grave caso de racismo, que levou Marega a recusar-se a continuar em campo.

O FC Porto visitou o Vitória de Guimarães, em jogo a contar para a 21ª jornada do campeonato, sabendo de antemão que uma vitória os deixaria a apenas um ponto do líder Benfica. Já os da casa, aproximar-se-iam dos lugares europeus com uma vitória frente aos dragões.

Sérgio Conceição alinhou com um onze inicial ofensivo, onde o destaque foi para mais uma ausência de Pepe, ainda de fora por lesão, escolhendo assim: Marchesín, Corona, Mbemba, Marcano e Alex Telles; Otávio, Uribe, Sérgio Oliveira e Luis Díaz; Marega e Zé Luís.

Por outro lado, o treinador dos vitorianos, Ivo Vieira, escolheu Douglas, Sacko, Frederico Venâncio, Pedro Henrique, Florent, Pêpê, Lucas Evangelista, André André, Edwards, Ola John e Bruno Duarte.

O jogo começou com o FC Porto a assumir a posse de bola e logo aos quatro minutos Sacko quase fez uma autêntica assistência para Zé Luís, passando a bola para o avançado adversário em cheio no coração da área, mas a bola acabou por se perder pela linha lateral depois de um mau cruzamento do portista.

Depois deste aviso, não tardou muito até que os dragões chegassem ao golo. Luis Díaz a trabalhar bem a bola na ala esquerda, coloca em Zé Luís, que cruzou atrasado. Aí foi Sérgio Oliveira quem surgiu e a rematar com muita força de pé esquerdo. A bola ainda bateu na barra e, de seguida, caprichosamente nas costas de Douglas, acabando no fundo da baliza vitoriana. Sérgio Oliveira a passar uma boa fase, mas este acabaria por ser declarado como um autogolo de Douglas.

O golo não alterou em nada as dinâmicas e a turma de Sérgio Conceição continuou a exercer uma grande pressão sobre a equipa da casa, que permanecia com dificuldades em construir jogo e a apostar nos passes longos para os seus homens mais adiantados.

Apesar do domínio azul e branco, a próxima grande oportunidade foi mesmo do Vitória. Ao minuto 17 Florent e Ola John com uma bela combinação a entrarem dentro da área, com o lateral francês a cruzar rasteiro para o segundo poste. Aí surgiu Edwards que rematou e não fosse um grande corte de Marcano em cima da linha de golo, estaria feito o empate.

O Guimarães parecia ter acordado para a partida e apenas um minuto depois foi a vez Pêpê Rodrigues, antigo jogador do Benfica, disferir um grande remate de fora da área, que foi defendido com grande estilo por Marchesín. Não há duas sem três e ao minuto 19 foi Bruno Duarte, após uma boa jogada coletiva, a mandar a bola ao poste, depois de ter feito um chapéu ao guarda-redes do FC Porto. Contudo, já havia fora-de-jogo do avançado. Boa fase do Vitória SC.

Depois destas três oportunidades seguidas do Vitória de Guimarães, o jogo voltou quase que ao seu estado “normal”, com os azuis e brancos a assumirem novamente o controlo da partida e a encostarem o Vitória ao seu meio-campo, que apenas ia tendo bola no meio-campo adversário a espaços.

Já perto do intervalo, ao minuto 39, Otávio cavalgou largos e deixou a bola em Marega, que, isolado, acabou por mandar a bola ao lado da baliza de Douglas. Grande oportunidade desperdiçada.

Até ao intervalo nada mais houve a assinalar. Os dragões dominaram os primeiros 45 minutos e foram para os balneários a ganhar, enquanto os vitorianos até conseguiram criar algumas oportunidades de golos, faltando a eficácia. Resultado justo ao intervalo.

A partida recomeçou na Cidade do Berço e o Vitória de Guimarães entrou na partida a parecer autenticamente outra equipa. Prova disso foi que foram necessários apenas quatro minutos para se restabelecer o empate. Depois de Uribe perder a bola no meio campo, Ola John cavalgou pela ala esquerda e conseguiu fazer o que queria da defesa portista. O extremo holandês cruzou e no segundo poste surgiu isolado Bruno Duarte, que só teve que encostar para o 1-1. A defesa e o guarda-redes do FC Porto muito mal na fotografia.

O Guimarães crescia na partida, mas o empate não durou mais de 10 minutos, uma vez que ao minuto 59 os dragões voltaram à liderança. Mbemba fez um belo passe longo a rasgar a defesa vitoriana, Marega arrancou e deixou Pedro Henrique e Frederico Venâncio completamente fora do lance. Em frente a Douglas, o avançado picou cheio de classe e fez o 1-2.

O golo de Marega incendiou as bancadas pela negativa, uma vez que o avançado maliano foi durante longos minutos alvo de cânticos e insultos racistas da parte dos adeptos vitorianos, que não terão gostado dos festejos do maliano. O caso adquiriu tais dimensões que o jogador pediu mesmo a Sérgio Conceição para ser substituído e recusou-se a continuar a jogar. O técnico portista gritou para as bancadas “é uma vergonha” repetidamente e acabou por colocar em campo Wilson Manafa no lugar de Marega. Um caso que terá certamente repercussões para o Vitória SC.

O jogo este ainda parado cerca de cinco minutos devido a este incidente e pela frente restava o último quarto de hora do encontro. O Vitória apostava agora tudo em busca do empate e colocava em campo Bonatini e Davidson, mas ao minuto 81 foi a vez de Corona falhar na cara do golo, aquele que teria sido o golpe final dos dragões.

Perante a subida no terreno do Vitória, Sérgio Conceição viu-se obrigado a mexer na equipa e fez entrar Diogo Leite para o lugar de Otávio, assumindo que iria defender até ao final da partida e jogando com cinco defesas.

Apesar de Ivo Vieira ter colocado a carne toda no assador, o Vitória de Guimarães demonstrou mais coração que cabeça e tentou sempre jogar demasiado rápido para o que precisava, o que fez com que até ao final da partida, mesmo com os sete minutos de compensação dados pelo quarto árbitro, apenas criasse uma real ocasião de golo. Aos 90+4, Edwards cruzou da direita, largo, para o segundo poste, onde apareceu Florent, que cabeceou para o meio. Com um remate acrobático foi Davidson quem rematou, mas a bola passou a raspar a barra portista.

Logo a seguir a esta grande oportunidade o árbitro apitou para o final da partida. O FC Porto venceu o Vitória de Guimarães por 2-1 e reabriu a corrida pelo título de campeão nacional, ficando a apenas um ponto do Benfica.

 

Fonte da Imagem: Getty Images

Francisco Carvalho

Desde tenra idade que duas paixões me cativaram, desporto e a escrita, sendo a sua união o cenário ideal. Cedo percebi que com esforço e dedicação poderia juntar uma paixão a uma profissão, sendo o jornalismo a resposta. Numa geração onde a banalização e a desvalorização da informação são recorrentes, quero mostrar a relevância do mundo jornalístico em toda esta sociedade cativante que nos rodeia.