Atlético vence com golo madrugador um Liverpool pouco criativo

O Wanda Metropolitan foi o palco que recebeu esta noite, o encontro entre o Atlético de Madrid e Liverpool, a contar para a  primeira mão dos oitavos-de-final da Liga dos Campeões. Os madrilenos venceram com um golo solitário apontado aos quatro minutos de jogo e impuseram a terceira derrota ao Liverpool, em jogos oficiais realizados esta época.

Os “colchoneros” entraram praticamente a vencer com um golo assinado pelo médio Saúl aos 4 minutos, na sequência de um pontapé de canto em que o espanhol aproveitou a lesta reacção da defensiva inglesa.

Depois do golo, os homens de Simeone foram gerindo a vantagem e os pupilos de Klopp com mais posse de bola e com muitos passes concretizados com sucesso, aumentavam a pressão ofensiva mas pecavam pela criação de oportunidades. Os madrilenos baixaram linhas e iam suportando a pressão mas é destes, que surge a hipótese para dilatar o marcador à passagem do minuto 20, com Álvaro Morata a obrigar Alisson a defender com o pé.

Assistimos a uns primeiros quarenta e cinco minutos em que o Atlético marcou, geriu e saiu para o ataque sempre com perigo e um Liverpool que dominou na posse de bola mas não soube ultrapassar a organização defensiva adversária.

No regresso para a etapa complementar os dois técnicos fizeram mexidas nas equipas com Simeone a retirar Lemar para entrar o médio defensivo Llorente. Klopp por sua vez, deixara no balneário o senegalês Sadio Mané e fez entrar para o seu lugar, Origi.

Sala teve na cabeça, a hipótese de empatar ao minuto 53 mas a execução não foi a melhor e o guardião Oblak, limitou-se a ver a bola passar ao lado da baliza.

O jogo mantinha um modelo idêntico ao da primeira parte com os ingleses a dominarem por completo mas a criatividade não acompanhava os homens de Klopp e pouco perigo criavam acabando mesmo, por ser o Atlético a estar perto do golo aos 68´ por intermédio de Morata que apareceu no centro da área, mas o facto de o espanhol ter escorregado, evitou males maiores para os actuais campeões europeus.

Simeone com o intuito de refrescar o sector ofensivo fez entrar Vitolo para o lugar de Morata, propondo um avançado menos posicional e que poderia dar mais profundidade e até aparecer em zonas mais recuadas do terreno.

Klopp respondeu com a substituição de Sala pelo médio ofensivo Chamberlain.

O Liverpool acentuava a posse de bola e contabilizava o dobro dos passes que os espanhóis, mas sem resultados práticos até porque os homens da casa iam fazendo jus à sua capacidade de gestão e excelente organização defensiva.

Os técnicos ainda fizeram mais duas alterações com especial destaque para a entrada de Diego Costa que voltava aos relvados três meses depois, substituindo Correa, no outro banco, entrava Milner para o lugar de Henderson.

O Atlético de Madrid parte na frente para o jogo da segunda mão numa eliminatória que está longe de estar decidida.

 

Foto de capa: REUTERS / Juan Medina

 

 

Guilherme Freire Coelho

Alfacinha apaixonado pela vida e dela, faz parte o futebol. Defendo-o como desporto, respeito-o pela vertente social e admiro-o como espectáculo. A bola, é mero instrumento para os artistas brilharem. Não escrevo sobre bola mas sim, sobre Futebol, sempre de forma transparente, com fair-play e....sem respeito pelo acordo ortográfico.....