Covid-19: Desporto italiano vai parar na totalidade até 3 de abril

O Comité Olímpico de Itália (CONI) ordenou esta segunda-feira a suspensão de todas as atividades desportivas no país, inclusive a Serie A, até 3 de abril, devido ao surto do novo coronavírus, o Covid-19, no país.

Durante esta segunda-feira, estiveram reunidos os presidentes de todas as Federações de desporto italianas, juntamente com o presidente do CONI, Giovanni Malagò, que tomaram assim esta decisão devido à gravidade que a epidemia está a alcançar no país e por considerarem que “proteção da saúde é a principal prioridade” dos organismos.

Esta decisão do Comité Olímpico está agora dependente  de decreto do primeiro-ministro transalpino, Giuseppe Conte, por forma a viabilizar a interrupção das várias provas, incluindo a própria Série A.

O Presidente Malagò foi mandatado para informar o Presidente do Conselho de Ministros, Giuseppe Conte, e o Ministro das Políticas e Desportos da Juventude, Vincenzo Spadafora, sobre os resultados da reunião“, acrescenta o documento que saiu desta reunião.

As competições internacionais, tanto para clubes como para equipas nacionais, não se enquadram na disponibilidade jurisdicional do Comité Olímpico Nacional Italiano e, portanto, não podem ser regulamentadas pelas decisões de hoje“, explica ainda o Comité Olímpico.

No entanto, esta decisão do Comité Olímpico não abarca as provas europeias de clubes e de seleções, como é o caso da Liga dos Campeões, a Liga Europa e até mesmo o EURO 2020, uma vez que estas não entram na sua área de “jurisdição e, por isso, não poderão ser regulamentadas aqui“.

A epidemia de Covid-19 já provocou mais de 3600 mortos em todo o mundo, infetando mais de 110 mil pessoas em mais de uma centena de países e territórios. Itália é o caso mais grave ao nível da Europa, contando com mais de 300 mortos e 7 mil infetados.

Francisco Carvalho

Desde tenra idade que duas paixões me cativaram, desporto e a escrita, sendo a sua união o cenário ideal. Cedo percebi que com esforço e dedicação poderia juntar uma paixão a uma profissão, sendo o jornalismo a resposta. Numa geração onde a banalização e a desvalorização da informação são recorrentes, quero mostrar a relevância do mundo jornalístico em toda esta sociedade cativante que nos rodeia.