Sindicato reage ao avanço de alguns clubes para o “lay-off”

O Sindicato dos Jogadores manifestou esta tarde através de um comunicado, o descontentamento face ao iminente recurso de alguns clubes profissionais em aderirem ao “lay-off”.

A entidade sindical exige que os clubes adoptem medidas que: “não envergonhem o futebol”, adiantando que têm mantido nas últimas semanas um diálogo permanente com a Liga, com o intuito de viabilizar uma solução de compromisso que salvaguarde os direitos dos jogadores, garantindo a sustentabilidade financeira do setor.

 

Comunicado do Sindicato dos Jogadores

Clubes podem e devem adotar medidas que não envergonhem o futebol

O Sindicato dos Jogadores tem mantido nas últimas semanas um diálogo permanente com a Liga, no sentido de encontrar uma solução de compromisso que salvaguarde os direitos dos jogadores e garanta a sustentabilidade financeira do setor.

Infelizmente, alguns clubes organizados à revelia desta negociação coletiva decidiram, unilateralmente, avançar para o lay-off. Na Primeira Liga, a “Os Belenenses – Sociedade Desportiva de Futebol SAD” foi o primeiro e, domingo à noite, interpelou os seus jogadores, dando-lhes conhecimento deste expediente.

O fundamento invocado para recorrer ao lay-off nem sequer foi a quebra de receitas, mas antes o encerramento total ou parcial da empresa, furtando-se deste modo à prestação de contas.

O Sindicato dos Jogadores condena, além desta falta de respeito para com os profissionais de futebol, uma atitude egoísta que lesa todos os portugueses, porquanto se pretende, requerer os cortes salariais e os apoios da Segurança Social, à semelhança da esmagadora maioria das empresas portuguesas em agonia. É manifestamente um abuso de direito, uma atitude oportunista dos clubes de futebol ao colocarem-se nesta posição.

Numa altura em que se sabe que as operadoras televisivas cumpriram as obrigações respeitantes ao mês de março, em que o governo do futebol está a fazer um esforço para encontrar soluções e os jogadores mostraram disponibilidade para uma negociação séria, é escandaloso que alguns clubes procurem recorrer aos apoios estatais desta forma, passando para a sociedade portuguesa a mensagem de que, em tempos de crise, não só não conseguem resolver os problemas que os afetam, como ainda vão exigir fundos que deveriam estar disponíveis de forma imediata, para os portugueses e respetivos setores de atividade em risco de colapso. Tais clubes decidem não prestar contas aos seus trabalhadores e ao país.

Finalmente, não se compreende que os clubes sejam rápidos a exigir cortes a jogadores e funcionários e não se incomodem com a atitude das operadoras, que beneficiam escandalosamente deste negócio há anos, e no momento de maior necessidade, nos abandonaram.

Aliás, a notificação que as operadoras enviaram aos clubes, sem apelo nem agravo, das duas uma, ou é atentatória e merecia uma resposta conjunta de todos os clubes, ou é conveniente, na medida em que permite justificar muitos comportamentos irresponsáveis.

O Sindicato dos Jogadores reagirá a esta atuação dos clubes e não deixará de convocar todas as entidades públicas e órgãos de governo do futebol, para a necessidade de pôr termo a uma atuação que lesa os jogadores, mas sobretudo os contribuintes e o país.

O futebol tem capacidade de dar resposta a este problema, o futebol profissional pode e deve comportar-se de outra forma. Felizmente, há muitos clubes que nas mesmas circunstâncias adotaram uma atitude diferente, partilhada e na justa medida. A esses fica o reconhecimento e a disponibilidade dos jogadores para ultrapassar esta crise.

 

Guilherme Freire Coelho

Alfacinha apaixonado pela vida e por futebol. Defendo-o como desporto, respeito-o pela vertente social e admiro-o como espectáculo. A bola, é mero instrumento para os "artistas" brilharem. Não escrevo sobre bola mas sim, sobre Futebol, sempre de forma transparente, com fair-play e....sem respeito pelo acordo ortográfico.....