FIFA entra em campo e estabelece medidas em relação a contratos e ao mercado de transferências

A FIFA emitiu esta terça-feira à noite um comunicado onde revela algumas medidas legais a serem implementadas no futebol mundial para fazer frente às consequências causadas pelo Covid-19, nomeadamente, no que diz respeito ao próximo mercado de transferências e aos contratos dos jogadores.

A primeira medida proposta diz mesmo respeito aos contratos dos jogadores. Em condições normais, os contratos de atletas e membros de staffs terminariam, na sua grande maioria, em junho e o que o organismo que rege o futebol mundial propõe é que estes sejam automaticamente prolongados até ao final da temporada, que vai estando suspensa indefinidamente.

De resto, este princípio seria seguido também em relação aos contratos de jogadores que já tenham sido contratados para a próxima temporada, pelo que os seus contratos apenas entram em vigor quando se findar a presente temporada.

Além dos contratos, a FIFA salientou ainda ser necessário ajustar o próximo mercado de transferências, pelo que esta entidade vai permitir que o mesmo tenha início apenas quando esta temporada findar, prolongando-se até ao início da próxima época.

O organismo que tutela o futebol mundial deixa ainda um apelo nesta nota oficial para que sejam encontradas soluções durante o período em que o futebol está suspenso, através de um trabalho conjunto, “com o objetivo de proteger empregos e alcançar um equilíbrio justo e razoável de interesses entre jogadores e clubes”.

A FIFA não esqueceu o facto de alguns clubes estarem a entrar em sistema de lay-off e recomenda que, nesses casos, sejam analisado “todos os aspetos de cada situação de forma imparcial, incluindo as medidas governamentais existentes para apoiar clubes e jogadores e se o pagamento de salários deve ser diferido ou reduzido”, tal como a percentagem que deve ficar a cargo dos seguros.

Caso não exista um entendimento entre as duas partes, clubes e jogadores, a FIFA avança que serão analisados uma série de factos, nomeadamente: “se houve uma tentativa genuína do clube de chegar a um acordo com os jogadores; qual a situação económica do clube; a proporcionalidade de qualquer ajuste nos contratos dos jogadores; a posição do lucro líquido dos jogadores após qualquer ajuste do contrato; e se os jogadores foram tratados ou não de igual forma“.

Francisco Carvalho

Desde tenra idade que duas paixões me cativaram, desporto e a escrita, sendo a sua união o cenário ideal. Cedo percebi que com esforço e dedicação poderia juntar uma paixão a uma profissão, sendo o jornalismo a resposta. Numa geração onde a banalização e a desvalorização da informação são recorrentes, quero mostrar a relevância do mundo jornalístico em toda esta sociedade cativante que nos rodeia.