7 craques da Liga Bielorrussa

7 craques da Liga Bielorrussa

A pandemia do novo Coronavírus obrigou o futebol mundial a fazer uma pausa. Em alguns campeonatos europeus, tais como o belga, até foi proposto um ponto final na competição. Contudo, o perigo do vírus não demoveu quatro países que ainda teimam em continuar as suas principais ligas: Bielorrússia, Turquemenistão, Nicarágua e Burundi.

O resultado é uma atenção crescente a esses campeonatos, em especial o bielorrusso – começou a ser transmitido em dez novos países após a pandemia e teve recordes de apostas online. O Ambidestro foi à procura dos craques deste campeonato que passariam despercebidos em condições normais.

Yevhen Kacheridi - Dínamo Brest. Muita experiência. Kacheridi já participou em dois europeus com a seleção ucraniana e representou o Dínamo Kiev por mais de dez anos. Está na primeira época em solo bielorrusso.
Yevhen Kacheridi – Dínamo Brest. Muita experiência. Kacheridi já participou em dois europeus com a seleção ucraniana e representou o Dínamo Kiev por mais de dez anos. Está na primeira época em solo bielorrusso.
Willum Willumsson - BATE Borisov. É um trinco de 1,93m, bem ao estilo nórdico. É indiscutível no BATE e aos 21 anos já se estreou pela seleção islandesa.
Willum Willumsson – BATE Borisov. É um trinco de 1,93m, bem ao estilo nórdico. É indiscutível no BATE e aos 21 anos já se estreou pela seleção islandesa.
Stanislav Dragun - BATE Borisov. Foi o segundo melhor marcador do campeonato bielorrusso em 2019 e medalha de bronze nos Jogos Olímpicos de Londres. Ganhou a Liga Russa por duas vezes com o Dínamo Moscovo.
Stanislav Dragun – BATE Borisov. Foi o segundo melhor marcador do campeonato bielorrusso em 2019 e medalha de bronze nos Jogos Olímpicos de Londres. Ganhou a Liga Russa por duas vezes com o Dínamo Moscovo.
Pavel Savitskiy - Dinamo Brest. Savitskiy já foi tido como o menino-prodígio da Bielorrússia. Aos 25 anos não confirma esse estatuto mas ao nível da liga doméstica é bastante bom jogador. Extremo-esquerdo, já foi o melhor marcador da liga em 2018.
Pavel Savitskiy – Dinamo Brest. Savitskiy já foi tido como o menino-prodígio da Bielorrússia. Aos 25 anos não confirma esse estatuto mas ao nível da liga doméstica é bastante bom jogador. Extremo-esquerdo, já foi o melhor marcador da liga em 2018.
Momo Yansane - Isloch. Um avançado rápido que tem vindo a demontrar uma excelente veia goleadora na Bielorrússia. Representou a Guiné no Mundial Sub-20 em 2017, quando jogava no Rabat.
Momo Yansane – Isloch. Um avançado rápido que tem vindo a demontrar uma excelente veia goleadora na Bielorrússia. Representou a Guiné no Mundial Sub-20 em 2017, quando jogava no Rabat.
Ivan Bakhar - Dinamo Minsk. Aos 21 anos, Bakhar já leva mais de 60 jogos na principal divisão bielorrussa e é o número 10 da Seleção A. Um tecnicista a aspirar outros voos.
Ivan Bakhar – Dinamo Minsk. Aos 21 anos, Bakhar já leva mais de 60 jogos na principal divisão bielorrussa e é o número 10 da Seleção A. Um tecnicista a aspirar outros voos.
Dénis Duarte - Dínamo Brest. Por último, um português. O defesa-central saiu do Vitória SC para a Bielorrússia depois de boas prestações na equipa B. Destaca-se pela marcação de livres diretos.
Dénis Duarte – Dínamo Brest. Por último, um português. O defesa-central saiu do Vitória SC para a Bielorrússia depois de boas prestações na equipa B. Destaca-se pela marcação de livres diretos.

Anterior
Seguinte

David Silva

Contar a minha história é falar de futebol. Primeiro, a paixão. Depois, a prática. Em seguida, uma deslocação de 71km entre a Lourinhã e a NOVA/FCSH, onde concluí o curso de Ciências da Comunicação, em 2019. Pelo meio, nove meses de estágio memoráveis no Canal 11, na Cidade do Futebol. E por fim, a paixão. Sempre.