UEFA paga 70 milhões de euros adiantados aos clubes pela qualificação para o EURO2020

A UEFA anunciou esta quinta-feira que irá efetuar o pagamento de 70 milhões de euros adiantados a um total de 676 clubes das 55 federações europeias, relativos à sua contribuição na qualificação do EURO2020 e na participação na Liga das Nações.

Segundo o comunicado emitido pelo Comité Executivo do organismo regulador do futebol europeu, esta medida pretende apoiar os clubes em questão face “à luz da atual crise“, causado devido ao surto de Covid-19, que levou à suspensão de todas as atividades desportivas, e tem trazido “dificuldades financeiras para muitos clubes na Europa” – Portugal não é exceção dessas dificuldades e até clubes como o Sporting e o Sporting de Braga já avançaram com cortes salariais.

No total, 676 clubes irão beneficiar deste valor, sendo que 50 milhões de euros serão atribuídos pela cedência de jogadores às selecções dos 39 países que disputaram a qualificação para o campeonato europeu de 2020 – que foi adiado para 2021 – mas que não estarão envolvidas nos playoffs de acesso à fase final da competição.

Outros 17,7 milhões de euros serão distribuídos pelas 16 equipas que ainda irão disputar uma vaga na fase final do EURO2020 através desses playoffs, enquanto os 2,7 milhões finais estão reservados para as equipas que saiam vencedoras após a conclusão dos playoffs.

Para o Euro2020, um mínimo de 200 milhões de euros está disponível para distribuição pelos clubes, como acordado no memorando de entendimento entre a UEFA e a Associação Europeia de Clubes, renovado em 2019”, pode ler-se em comunicado.

Além destes 70 milhões de euros pagos adiantadamente, está ainda previsto o pagamento de outros 130 milhões de euros aquando da participação dos atletas no EURO2020. Os valores recebidos por cada clube variam consoante o número de atletas envolvidos e estão fixados entre os 630 mil euros e os 3,2 milhões de euros.

Nestes tempos difíceis, em que muitos clubes enfrentam dificuldades financeiras, especialmente de tesouraria, era o nosso dever garantir que recebem estes pagamentos o mais depressa possível”, explicou Aleksander Ceferin, presidente da UEFA.

Também Andrea Agnelli, presidente da Juventus e líder da Associação Europeia de Clubes, já se pronunciou sobre a medida, afirmando que esta se trata de “uma injeção de liquidez muito necessária para os clubes”.

 

 

Fonte da Imagem: Record

Francisco Carvalho

Desde tenra idade que duas paixões me cativaram, desporto e a escrita, sendo a sua união o cenário ideal. Cedo percebi que com esforço e dedicação poderia juntar uma paixão a uma profissão, sendo o jornalismo a resposta. Numa geração onde a banalização e a desvalorização da informação são recorrentes, quero mostrar a relevância do mundo jornalístico em toda esta sociedade cativante que nos rodeia.