Quem te viu e quem te vê: Hachim Mastour, a esperança que se tornou em pesadelo

O futuro do futebol passa sempre  pelas grandes promessas. No entanto, muitos são os casos de jogadores que eram considerados como a próxima grande estrela da modalidade, apenas para acabar muito abaixo das expectativas que foram criadas, tanto pelos meios de comunicação, como pelos próprios adeptos .

Um dos exemplos mais recentes desta realidade  é um jogador no qual um dos clubes mais históricos do futebol italiano e europeu depositou todas as suas esperanças, com o intuito de regressar aos tempos de glória, mas que desapareceu do radar tão depressa quanto apareceu.

Hachim Mastour é um médio ofensivo que também pode fazer a posição de extremo. Nascido em Reggio Emillia, a 15 de junho de 1998, o jogador italo-marroquino foi contratado pelo AC Milan em 2012, pelo valor de 500 mil euros, sendo depois promovido à equipa principal no início da época 2014-15 pelo treinador Filippo Inzaghi, devido à sua velocidade, agilidade e dribles.

Infelizmente, como já ocorreu com diversos outros jogadores,  o ” Messi Marroquino”, como era apelidado, nunca conseguiu afirmar-se no clube de Milão, sendo várias vezes emprestado a clubes como Málaga e PEC Zwolle.  Desde a sua estreia em 2014, Mastour  conta com apenas 17 oficiais ao serviço das equipas que representou, sem qualquer golo marcado.

Representou ainda a seleção italiana sub-16 em cinco ocasiões, sendo que pela seleção marroquina só temuma internacionalização.

Conhicido pela sua vida noturna e falta de dedicação para com o desporto, Mastour é um exemplo de um jogador destinado a grandes feitos, mas que acabou por se prejudicar a si próprio, atingindo o ponto de não retorno com apenas 21 anos de idade.