O “truque” de Patrice Evra

Um dos elementos mais importantes no Manchester United do novo século de Sir Alex Ferguson, o francês ganhou notoriedade no AS Monaco, onde, não fosse um truque aconselhado pelos seus colegas de equipa, poderia não ter chegado onde chegou.

Patrice Evra tinha acabado de chegar a Mónaco no verão de 2002, vindo do Nice. Apesar de já dar nas vistas no Nice, foi pelos monegascos que Patrice Evra se deu a conhecer ao mundo do futebol. Entre 2002/03 e 2005/06 realizou 163 jogos e jogou uma final da Liga dos Campeões, frente ao Futebol Clube do Porto.

Em entrevista ao Players Tribune, Evra afirmou “As pessoas falam da chegada à Final da Liga dos  Campeões em 2004, mas a minha maior loucura no Monaco veio após um jogo pelos sub-21 da França. Um adversário pisou-me o pé e magoou-me muito. No hospital, eu disse ao treinador do Monaco (Didier Deschamps) que era muito doloroso, eu não iria conseguir jogar; nem coseguia andar!”.

A equipa do Monaco precisava do lateral francês, pois ele era titular, por isso os médicos fizeram tudo o que estava ao seu alcance para tentarem recuperar Evra, mas nada resultou. Foi então que os colegas de equipa do Monaco propuseram que Evra resolvesse a lesão à “moda antiga”; metendo um peito frango cru entre o pé e a chuteira. Desesperado para arranjar uma solução, Evra experimentou.

“Depois disso fui ao talho e pedi ‘uma peça de frango, mas uma muito pequena’. O talhante não tinha percebido bem e perguntou “mas pequena como?”; ao que eu respondi “pequena o suficiente para caber na minha chuteira”. O talhante, depois de muitas gargalhadas, lá me deu a peça de frango e no dia seguinte comprei umas chuteiras novas, uma o 42, que era o meu número e outra o 44,5, para caber o frango. No próximo treino, meti o frango no pé, calcei as chuteiras e fui treinar; passei a bola e pensei: “ok, doeu um pouco, mas não é nada por aí além”. E assim, acabei por jogar com o frango no pé por 4 meses; pouco depois do primeiro treino com o frango, deixei de treinar com o frango porque a minha mãe dizia que era um desperdício de comida”.

Contudo, Evra não dispensava o frango nos jogos e afirma que ia sempre visitar o talhante antes dos jogos e, após ser cumprimentado, vinha sempre a pergunta se era o costume.

Entre sorrisos, o lateral francês admite: “o frango fez me jogar tão bem que, em Janeiro de 2006, eu consegui assinar pelo United!”

Bem disposto como sempre, o detentor da tão conhecida frase “I love this game”, usada sempre que se refere ao futebol, Patrice Evra podia não ter tido um futuro tão risonho, caso não fosse o frango “milagroso” que, segundo ele, lhe valeu uma transferência para os Red Devils, onde venceu três Taças da Liga Inglesa, quatro Supertaças, cinco Premier Leagues e uma Liga dos Campeões.

Alexandre Ribeiro

Nascido e criado na ilha Terceira, nascido e criado para o futebol. Desde cedo aprendi, vivi e vibrei com o desporto rei. A licenciar-me em Ciências da Comunicação na FCSH da Universidade Nova de Lisboa. Com o futebol e a escrita espero proporcionar um espectáculo fora das 4 linhas para todos aqueles que partilhem o gosto pela bola e pelos seus artistas.