Covid-19 leva ao cancelamento da gala The Best este ano

Ao que tudo indica, este ano não teremos direito à já habitual gala para distinguir o melhor jogador do mundo para a FIFA, o prémio The Best, e o motivo é o mesmo que já levou ao cancelamento e adiamento de tantos outros eventos e competições.

Segundo avança esta quarta-feira o prestigiado diário desportivo espanhol Marca, a FIFA, organismo que entrega esta distinção, prepara-se para cancelar esta gala devido à crise sanitária gerada pela pandemia de covid-19.

Os responsáveis da FIFA, liderados por Infantino, estarão cientes da gravidade da situação que atualmente vivemos e terão tomado a decisão há várias semanas, considerando que todas as competições e prémios não essenciais devem ser adiados.

A gala estava prevista para setembro, em Milão, mas, confirmando-se esta decisão, não decorrerá, nem será atribuído qualquer prémio. O atual detentor do troféu é Lionel Messi, sendo que Luka Modric e Cristiano Ronaldo (por duas vezes) também já o venceram.

Nesta gala, são ainda premiados o melhor guarda-redes e o melhor treinador, tanto no futebol masculino como no feminino, além de atribuir o prémio Puskas (melhor golo), o prémio Fair Play, o prémio para o melhor adepto e eleger os onzes do ano em masculino e feminino.

Após esta alegada decisão, a única competição organizada pela FIFA que ainda não sofreu com o impacto do novo coronavírus é o Mundial de Clubes, que está apenas previsto realizar-se no próximo mês de dezembro.

Quanto ao famoso prémio da Bola de Ouro (Ballon d’Or), a mítica revista France Football ainda não revelou quaisquer planos. Este é um prémio que nunca deixou de ser dado desde 1956, ano em que foi criado, embora tenho sido fundido com o prémio da FIFA (The Best) entre 2010 e 2015.

A verdade é que o cancelamento de vários campeonatos, como o da Holanda, França e Bélgica, havendo a possibilidade de outros seguirem o mesmo caminho, impede vários atletas de lutarem por estas distinções em pé de igualdade com seus restantes colegas de profissão. Os casos mais sonantes são mesmo os de Neymar e Mbappé, por exemplo, que têm estado na luta por estes prémios nos últimos anos e cujo campeonato foi já cancelado.

Francisco Carvalho

Desde tenra idade que duas paixões me cativaram, desporto e a escrita, sendo a sua união o cenário ideal. Cedo percebi que com esforço e dedicação poderia juntar uma paixão a uma profissão, sendo o jornalismo a resposta. Numa geração onde a banalização e a desvalorização da informação são recorrentes, quero mostrar a relevância do mundo jornalístico em toda esta sociedade cativante que nos rodeia.