Quem te viu e quem te vê: Carlos Alberto

Quando Carlos Alberto rematou com o pé direito para o fundo da baliza de Flávio Roma, “pintando” o marcador de azul e branco em Gelsenkirchen, muitos previram que aquele seria o pontapé de saída para uma carreira repleta de êxitos. Porém, o seu temperamento impulsivo e as lesões constantes fizeram com que a sua caminhada futebolística ficasse muito aquém das expectativas. Sabe o que é feito do brasileiro?

 Natural do Rio de Janeiro, Carlos Alberto fez a sua formação no Fluminense e estreou-se pela equipa principal do “Tricolor” aos 17 anos. Com uma boa capacidade técnica e uma rapidez impressionante, conquistou rapidamente a titularidade e contribuiu para a vitória do “Flu” no Campeonato Carioca, em 2002. Os 22 golos marcados em 44 partidas, fizeram com que despertasse a atenção do jovem técnico José Mourinho e o FC Porto avançasse para a sua contratação, por 2,5 milhões de euros.

Em janeiro de 2004, com apenas 19 anos, o médio chegava à Invicta com a difícil missão de se impor numa equipa “recheada” de estrelas, que era campeã em título da Taça UEFA. Aos poucos começou a ganhar lugar no onze dos “Dragões” e, no dia 26 de maio do mesmo ano, fez um remate certeiro que ajudou os azuis e brancos a conquistarem a “Champions”. Ao todo marcou 11 golos em 39 encontros disputados pelo clube nortenho, destacando-se ainda a conquista da Taça Intercontinental.

No início de 2005, o atleta voltou a “terras de Vera Cruz” para jogar no Corinthians, que pagou 10 milhões de euros pelos seus direitos desportivos. Após uma boa primeira época no “Timão”, o carioca envolveu-se numa discussão com o treinador, Emerson Leão, que levou ao seu afastamento da equipa paulista.

Seguiu-se um regresso por empréstimo ao Fluminense, onde alcançou o sucesso com a conquista da “Copa do Brasil”. As boas prestações no “Tricolor” levaram à sua contratação por parte dos alemães do Werder Bremen, no verão de 2007. Mas o médio carioca não se conseguiu afirmar na Bundesliga, onde jogou apenas três partidas, regressando ao Brasil no ano seguinte, para representar o São Paulo.

Após o fracasso em terras germânicas, Carlos Alberto nunca mais voltou a jogar fora do seu país, onde realizou uma carreira marcada por uma enorme irregularidade exibicional, várias lesões e alguns episódios caricatos. Depois de sair do São Paulo, o atleta também conhecido por “Feijão” representou o Botafogo, o Vasco da Gama, o Grémio, o Bahia, o Goiás, o Figueirense (do qual foi despedido sem justificação oficial), o Athletico Paranaense e o Boavista Sport Clube.

A 21 de julho de 2019, aos 34 anos, o outrora prodígio carioca colocou um ponto final na carreira, apontando as dificuldades físicas como o principal motivo para a sua aposentadoria. Seis dias depois, o brasileiro foi homenageado no Estádio do Dragão, na apresentação do FC Porto aos adeptos, frente ao Mónaco.

Atualmente, Carlos Alberto vive no Rio de Janeiro e é comentador da Fox Sports Brasil.

 

Fonte da imagem: O Jogo

Rui Costa

O gosto pela escrita levou-me a cursar Ciências da Comunicação, na Universidade da Beira Interior. A paixão pelo futebol fez-me juntar o melhor dos dois mundos e seguir a vertente do jornalismo desportivo.