Jogadores que representaram os Três Grandes portugueses

Como é sabido, em Portugal, o Benfica, Porto e Sporting destacam-se dos demais clubes pelas dimensões das suas massas associativas, sucesso desportivo e mediatismo. Deste modo, as rivalidades entre os “três grandes” são intensas, e poucos são os atletas a terem atuado pelos três emblemas. Neste artigo, o Ambidestro dá-lhe a conhecer estes futebolistas.

 

Carlos Alhinho

O defesa-central foi o primeiro futebolista a conseguir alcançar este feito notável. Carlos Alhinho começou a sua carreira profissional na Académica em 1968 e, após quatro temporadas ao serviço dos estudantes, mudou-se para a capital para envergar a camisola verde e branca. Passados três anos – nos quais conquistou um Campeonato e duas Taças de Portugal – fez as malas e rumou para o Bétis, mas a sua passagem foi curta e um fracasso (nunca jogou pelos sevilhanos), regressando para Portugal ainda no próprio ano, desta vez para o Porto, onde só ficou até ao final dessa temporada. Seguiu-se uma transferência para o Benfica, onde viria a ganhar duas Ligas, duas Taças e uma Supertaça ao longo de três diferentes estadias (foi duas vezes emprestado ao estrangeiro) antes de partir para o Portimonense e terminar a sua carreira no Farense.

 

Eurico Gomes

Formado no Benfica, Eurico Gomes começou o seu trajeto profissional de águia ao peito em 1973. Em 1979, após arrecadar duas medalhas de vencedor da Primeira Liga, o defesa-central trocou de camisola, mas não de cidade, rumando para o eterno rival do seu antigo clube. Esteve durante três temporadas no Sporting, sagrando-se campeão nacional por outras duas ocasiões e vencendo uma Taça de Portugal, antes de se mudar para o norte do país. Pelos dragões, conquistou dois Campeonatos, uma Taça e duas Supertaças ao longo de cinco anos na “cidade invicta”. Os últimos dois anos da carreira do único jogador campeão pelos Três Grandes foram passados no Vitória de Setúbal.

 

Romeu

A carreira deste médio começou em 1972, em Guimarães, por onde esteve nas primeiras quatro épocas enquanto sénior. Posteriormente, assinou contrato com o Benfica. Apesar da sua estadia em Lisboa não ter sido muito feliz em termos individuais (só entrou em campo 16 vezes num ano e meio), a nível coletivo conquistou duas Primeiras Ligas – as únicas na sua vida. Assim, Romeu acabou por regressar para a cidade berço. Após duas temporadas ao serviço dos conquistadores, o atleta mudou-se para o Porto. O atleta jogou de dragão ao peito ao longo de quatro épocas, tendo vencido uma Supertaça, antes de voltar para a capital, desta vez para o Sporting. Vestiu de verde e branco durante três anos, mas não conseguiu ganhar nenhum título, tendo saído para o Salgueiros e pendurado as botas no Amora.

 

Paulo Futre

Antes de se afirmar como um dos melhores futebolistas portugueses de sempre, Paulo Futre cumpriu a sua formação e primeira época enquanto profissional no Sporting, em 1983. No ano seguinte, rumou para os azuis e brancos, clube no qual viveu três temporadas gloriosas: venceu uma Liga dos Campeões, dois Campeonatos e duas Supertaças. Depois de impressionar no Porto, brilhou durante quatro épocas e meia no Atlético de Madrid. Posteriormente, teve um curto regresso ao nosso país, mais precisamente ao Benfica, onde jogou durante meio ano, conseguindo ainda acrescentar uma Taça de Portugal ao seu palmarés. Esta acabaria mesmo por ser a sua última passagem por Portugal enquanto futebolista, dado que jogou por diversos clubes estrangeiros até se reformar.

Fernando Mendes

O lateral-esquerdo começou a jogar profissionalmente de leão ao peito em 1984, tendo também feito a sua formação em Alvalade. Após cinco épocas na equipa principal, nas quais apenas conquistou uma Supertaça, o defesa mudou-se para o rival da Segunda Circular. Nas três temporadas intercaladas (pelo meio esteve uma época no Boavista na qual ganhou uma Taça de Portugal) pelo Benfica não foi muito utilizado, mas teve direito às medalhas de vencedor de um Campeonato e um Taça nacional. Seguiram-se passagens de um ano pelo Estrela da Amadora, Boavista e Belenenses antes de assinar pelo Porto. Fernando Mendes jogou de azul e branco durante três épocas e foi bastante bem sucedido, vencendo três Ligas, duas Supertaças e uma Taça de Portugal. Antes de terminar a sua carreira, ainda representou o Belenenses e o Setúbal.

 

Emílio Peixe

À semelhança de Paulo Futre e Fernando Mendes, também Emílio Peixe se formou no Sporting. Começou a jogar na equipa principal dos leões em 1990 e lá permaneceu até 1997 (com uma curta passagem de meia época pelo Sevilha na seu quinto ano de carreira), arrecadando uma Taça de Portugal e uma Supertaça. Seguiu-se uma passagem de quatro anos pelo Porto e, apesar de não ter entrado em campo por muitas ocasiões (56 jogos), conquistou duas Ligas, duas Taças de Portugal e uma Supertaça. Na fase final da sua carreira, ainda representou durante uma temporada o Alverca, o Benfica, e o Leiria.

 

Derlei

O ponta-de-lança é o único jogador estrangeiro a alcançar esta proeza. Após começar a sua carreira no América em 1994 e de passar por outros emblemas do seu país (Grémio Mauaense, Guarani e Madureira), Derlei chegou a Portugal através do Leiria, em 1999. Três anos depois, assinou contrato com os dragões. A quantidade de troféus ganhos na sua passagem de dois anos e meio pelo Porto é impressionante: uma Liga dos Campeões, uma Liga Europa, dois Campeonatos, uma Taça de Portugal e duas Supertaças. De seguida, o brasileiro representou o Dínamo de Moscovo até regressar a Portugal uma temporada e meia depois, desta feita para a Luz. Contudo, o avançado não brilhou de águia ao peito (só apontou um golo) e mudou-se para Alvalade na época seguinte. Derlei ainda vestiu de verde e branco durante dois anos, nos quais conquistou um Taça de Portugal e duas Supertaças, antes de terminar a sua carreira no Brasil.

 

Maniche

O último jogador a completar este feito foi Maniche. Este grande nome do futebol nacional foi formado no Benfica, clube pelo qual cumpriu a sua estreia profissional em 1995. Seguiu-se um empréstimo de três temporadas ao Alverca, tendo o médio voltado a jogar pelos encarnados em 1999. Esteve durante três anos na Luz, – no último não realizou qualquer partida devido a uma polémica com Manuel Vilarinho, antigo presidente das águias – conquistando apenas uma Taça de Portugal. Posteriormente, Maniche partiu para o Dragão e abandonou-o nas mesmas janelas de transferências que Derlei, ou seja, também fez parte da equipa sensacional do Porto que tudo ganhou. Curiosamente, também fez as malas para o Dínamo de Moscovo e ainda representou grandes clubes europeus (Chelsea, Atlético de Madrid, Inter) antes de, em 2010, realizar a última temporada da sua carreira no Sporting, oriundo do Colónia.

 

 

Fonte da Imagem: O Jogo, Paixão pelo Porto, Glórias do Passado, Getty Images, Pinterest, Reuters

Simão Vitorino

Nasci e cresci em Vila Franca de Xira e estou atualmente a tirar uma licenciatura em Ciências da Comunicação na faculdade NOVA FCSH com o objetivo de me tornar jornalista desportivo no futuro, profissão que une duas grandes paixões minhas - o futebol e a escrita.