“Gostaria de estar na I Divisão Nacional num futuro próximo…ao serviço do FC Romariz”

Bilhete de Identidade:

Nome: Rita Isabel Castro e Silva                   

Data de nascimento: 25-07-1986 (33 anos)

Naturalidade: Felgueiras (Portugal)

Clube actual: FC Romariz

2020/21: FC Romariz

2019/20: FC Romariz

2018/19: FC Romariz

 

 

A nossa convidada de hoje é uma antiga jogadora de futebol que tem desempenhado funções de mister no FC Romariz. Renovou com o clube e assumirá pelo terceiro ano consecutivo, os destinos das seniores feminino do emblema de Lousada. Considera-se uma treinadora de proximidade e pauta-se pela exigência táctica onde tenta associar a sua ideia de jogo em função do potencial do plantel.

 

AMBIDESTRO: Olá Rita boa tarde, obrigado por teres aceitado o convite. Sei que iniciaste a tua ligação ao futebol como jogadora, conta-nos em que momento tudo aconteceu e como foi essa fase

Rita: Olá Guilherme, boa-tarde. Antes demais agradeço o vosso convite. Em 2004/2005 o clube da minha terra, Felgueiras, criou a primeira equipa de futebol feminino, e desde logo quis fazer parte, foi uma caminhada que durou cerca de 3/4 anos e depois fui jogar para o Boavista da primeira divisão nacional. Sobretudo, foi uma fase de muita aprendizagem, alegria e de muito crescimento pessoal.

AMBIDESTRO: Que saudades guardas dessa altura ?

Rita: Saudades do companheirismo, do ambiente vivido em ambos os balneários nos diferentes clubes, das viagens antes e depois do jogo, são sempre fases que nos marcam e na qual relembramos com nostalgia..

AMBIDESTRO: Essa experiência como atleta, foi preponderante para as tuas ações como mister ?

Rita: Completamente! Dou por mim a ter certos cuidados hoje em dia, graças à experiência de ter sido jogadora, lembro-me do que sentia quando era substituída, de quando não jogava, da falta que fazia uma pequena palavra do treinador nesse momento, e agora graças a essa aprendizagem, sei o que a minha atleta sente e o que gostaria de ouvir quando acontece essa substituição ou o não jogar, preocupa-me muito o lado humano de cada atleta e como se sente perante as minhas decisões, e sei que podemos minimizar a “dor” se lhe dermos alguma palavra ou simplesmente lhe mostrar-mos o porquê da nossa decisão, aquilo que me “faltou” e me deixou desmotivada, não deixo que falte às minhas atletas. Esta foi a verdadeira aprendizagem que guardei quando passei pelo processo ou pela “transformação” de jogadora para treinadora.

 

A experiência como jogadora tem sido muito importante para perceber e passar a mensagem às suas atletas.

 

AMBIDESTRO: Antes de abordarmos a tua chegada ao Romariz, gostava que nos contasses como foi o processo do curso que tiraste e o respectivo estágio.

Rita: No nível I, passei pelas camadas jovens do Amarante FC, um ano extremamente gratificante onde o público alvo apesar de muito jovem, me fez aprender bastante, às vezes dava por mim a pensar como era possível tão tenra idade nos acrescentar tanto conhecimento principalmente na gestão de emoções.

AMBIDESTRO: Tens vindo a tirar algumas formações sendo que, gostas de estar em constante aprendizagem. Defendes que os cursos e consequente progresso nos níveis de treinador são fumdamentais ou é algo que não vale assim tanto, prevalecendo os contactos de cada mister para representar seja que clube for ?

Rita: Na minha humilde perspectiva, o saber não ocupa espaço! Por isso acho fundamental ou até mesmo obrigatório passar pelos cursos de Treinador assim como fazer formações contínuas. Por mais que tenhamos experiência na prática, é importantíssimo passar pela teoria e ouvir outras coisas. O futebol evolui e há sempre algo novo a aprender, e se queremos ser valorizados, não podemos correr o risco de estagnar, precisamos de querer sempre mais, por mais que se fale de factor “C” quem realmente trabalha e é competente acaba por chegar lá “acima” por mérito próprio, e consegue manter-se muitos mais anos com sucesso, enquanto que quem é “trapaceiro” e vive de “factor C” por mais que chegue muito rápido lá acima, dificilmente se manterá longos e bons anos, os processos que lhe faltaram por ter saltado etapas, vão lhe fazer falta e acabar por rasteirar durante o percurso.

AMBIDESTRO: Em 2018/19 integras a estrutura do FC Romariz e assumes a liderança do plantel senior feminino. Foi um começar do zero para o clube neste escalão, e coube-te a ti construires o plantel. Como foi o assumir dessa responsabilidade?

Rita: Foi um passo muito importante, tanto para o clube que se lançava nesse escalão que até à data não existia na história do clube, como para mim enquanto treinadora a querer começar, um primeiro projeto é sempre o mais importante da nossa carreira!

AMBIDESTRO: Fizeste uma primeira época que superou muitas expectativas e a direcção renovou a confiança no teu trabalho para a época que findou de forma ingrata. Este segundo ano no Romariz fizeste uma temporada pautada por grandes exibições e resultados promissores. Não fora o fim antecipado, poderíamos ter tido um Romariz noutra divisão ?

Rita:Felizmente encontrei uma direção extremamente competente que me deu uma estabilidade tremenda para trabalhar, para “partir pedra” por assim dizer, também tive a felicidade de encontrar jogadoras muito talentosas que ajudaram ao sucesso no seu todo, época após época temos superado expectativas e isso deixa-me muito feliz! Infelizmente a época terminou da forma como todos sabemos, mas a minha transparência e a forma correta como estou para o futebol leva-me a elucidar-vos sobre essa questão, claro que sou ambiciosa e não quero parecer com discurso derrotista, mas se a época tivesse ido até ao fim e nas regras só subiria uma equipa na zona norte, o FC Romariz tinha pela frente equipas muito poderosas financeiramente que ocupariam essa vaga certamente, somos ambiciosas mas temos noção da realidade, e a época se terminasse normalmente, essa vaga não seria nossa.

 

Rita Castro e Silva cumprirá a terceira época ao serviço do FC Romariz desta feita, com maior ambição desportiva.

 

 

 

AMBIDESTRO: Como gostas de colocar a equipa a jogar ?

Rita: Coloco a minha equipa a jogar com pressão sobre o contra-ataque adversário. Não é qualquer jogadora que consegue seguir esse estilo de jogo. Para isso, conto com jogadoras rápidas, com físicos invejáveis e cooperação, no entanto individualismos não colam nesta ideia! O “perde e pressiona” começa sempre com um balanço defensivo, as jogadoras atrás da linha da bola são responsáveis por fechar os espaços dificultando a visão do adversário e, consequentemente, recuperando a bola.

 

 

AMBIDESTRO: A FPF fez grandes alterações no seio das regras do futebol feminino e tu foste uma voz bem critica dessas alterações. O que está em causa que não vai ao encontro do critério de justiça que chegaste a abordar ?

Rita: No início da época as regras eram claras, só quem conseguisse na fase de grupos da II Divisão o 1o e 2o lugar de cada série é que faria parte na nova II divisão, ou seja precisávamos conseguir o playoff para escapar à descida, o resto desceria a uma nova III divisão, essa primeira fase foi concluída e já estava delineado quem descia, já estávamos com 2 jogos feitos na segunda fase, no playoff, quando tudo terminou, e a federação alegou todo um conjunto de novas regras para “calar” os mais críticos que tinham feito investimentos abruptos no feminino, até aí nada contra isso e reconheço que pensaram bem, mas a minha indignação era porque a única fase que foi concluída não estava a ser tida em conta, então haviam treinadores que supostamente tinham descido à III divisão, que andavam a ligar a atletas “vendendo o peixe” de que já não existiria III divisão e que jogaríamos todos de novo na II divisão e a convida-las para os seus projetos. Felizmente fez-se justiça e a FPF ouviu-nos e foi em frente com a restruturação da II divisão, e com a criação da nova III divisão onde estes “pára-quedistas” do feminino que riam da situação e tentavam a todo o custo roubar atletas, deixaram de rir e de tentar persuadir atletas da II divisão com os seus agora projetos de III divisão.

AMBIDESTRO: Este momento de confinamento tem sido vivido de que forma pelo plantel ? As atletas têm sido alvo de estimulo fisico pelos técnicos do clube ?

Rita: Claramente! Felizmente o meu presidente é um homem presente, dado à causa e sempre disposto a ouvir-me em todas as nossas necessidades. Falamos quase diariamente, reunimos imensas vezes, pedi que contratássemos alguém para manter o físico das atletas em forma a partir de casa e como felizmente internamente temos atletas ligadas a esse sector, foi desde logo aprovado pelo Presidente! Estava complemente fora de questão as atletas ficarm sem atividade física tantos meses!

AMBIDESTRO: Sabendo que a experiência de jogadora é fulcral para o conhecimento e salutar convívio de um balneário, como é a Rita treinadora no trato com as jogadoras ?

Rita: Sou o mais real e transparente possível. Ser uma treinadora jovem também ajuda muito à minha ligação com todo o meu plantel, apesar de ser muito exigente e muito rigorosa, sou bastante acessível e compreensiva com a vida delas também fora do clube, com várias temáticas que precisem de todo o tipo de ajuda, estou sempre lá para elas, seja pessoal, profissional, enquanto equipa, ou até questões de psicológico, estou sempre lá, psicologicamente preocupo-me bastante com a equipa e não vacilo na hora de ajudar mesmo com questões extra futebol!

AMBIDESTRO: O plantel para a próxima época tem vindo a ganhar forma com muitas atletas a renovarem. Está previsto a integração de atletas da formação na equipa da próxima época ?

Rita: Sim! Aliás já foi tornada pública aos nossos adeptos pelo diretor que faz a gestão das redes sociais! É importante para nós que os escalões de formação feminino da nossa casa sintam vontade de chegar à nossa equipa sénior!

AMBIDESTRO: Está no horizonte alguma jogadora que seja o “Grande Reforço” que nos possas confidenciar ?

Rita: Estão em cima da mesa alguns reforços, alguns já fechados inclusive, para já sobre isso não acho pertinente deixar passar cá para fora essa informação sobre possibilidades de certos reforços.

 

Apaixonada pelo treino, a mister consome um constante conhecimento na análise de outros jogos e consequentemente, na observação de possíveis reforços.

 

AMBIDESTRO: Esta época, além do plantel do Romariz ter dado nas vistas , é inevitável dizer que a mister também teve um enorme reconhecimento e como tal, permite-me que te pergunte, onde gostavas de estar num futuro próximo ?

Rita: Gostaria de estar na I Divisão Nacional num futuro bem próximo.. ao serviço do FC Romariz!

 

Rita estamos quase a terminar. Vou fazer-te agora uma série de perguntas que gostava que respondesses como se etivesses nos tempos de jogadora a cobrar uma grande penalidade e tivesses que decidir rápido….

 

FORA DAS QUATRO LINHAS

Prato favorito – Arroz de Cabidela

Música preferida – Clean – The Japanese House

Filme favorito – Ghost

Tempos livres – Caminhar, conhecer todos os caminhos de Santiago

Treinador/a que mais admiras – Jürgen Klopp

Jogador/a que mais admiras – Cristiano Ronaldo

Treinador/a que mais te marcou – Mister Paulo (primeiro ano do FC Felgueiras feminino)

Melhor treinador de sempre – Alex Ferguson

Melhor jogador/a de sempre – Eusébio

 

Rita muito obrigado por este momento, em meu nome e em nome de toda equipa do Ambidestro, votos das maiores felicidades pessoais e desportivas.

Guilherme Freire Coelho

Alfacinha apaixonado pela vida e dela, faz parte o futebol. Defendo-o como desporto, respeito-o pela vertente social e admiro-o como espectáculo. A bola, é mero instrumento para os artistas brilharem. Não escrevo sobre bola mas sim, sobre Futebol, sempre de forma transparente, com fair-play e....sem respeito pelo acordo ortográfico.....