Águias batem Rio Ave de nove jogadores e juntam-se ao Porto na liderança

Num encontro no qual a equipa da casa foi para o descanso em vantagem com um golo de Taremi, o Rio Ave acabou por perder por 2-1 frente ao Benfica, impulsionado pelas expulsões de Al Musrati e Nuno Santos, com golos de Seferovic e Weigl.

O encontro entre Rio Ave e Benfica em Vila do Conde teve início às 21:15. Neste jogo da 27ª jornada da Primeira Liga, o segundo classificado do campeonato vinha de um empate a duas bolas em Portimão e, devido ao empate do Porto frente ao Aves, poderia ascender ao primeiro lugar (em igualdade pontual) em caso de vitória. Já a equipa da casa, sexta classificada, trouxe os três pontos de Moreira de Cónegos.

Carlos Carvalhal fez algumas alterações em relação ao último onze, colocando Matheus Reis, Diogo Figueiras, Nuno Santos e Lucas Piazón nos lugares de Nélson Monte, Pedro Amaral, Gelson Dala e Carlos Mané. Para além dos laterais e dos extremos já referidos, os vilacondenses alinharam com Kieszek entre os postes, Borevkovic e Aderllan Santos na dupla de centrais, Filipe Augusto, Al Musrati e Diego Lopes no meio campo e Taremi no ataque.

Em comparação com a última partida, Bruno Lage foi forçado a trocar Jardel, Grimaldo (lesionados) e André Almeida (castigado) por Ferro, Nuno Tavares e Tomás Tavares e, por opção, retirou Cervi e Vinícius e apostou em Gabriel e Dyego Sousa. Os restantes titulares foram Vlachodimos, Rúben Dias, Weigl, Pizzi, Rafa e Taarabt.

O início do jogo ficou marcado por algumas iniciativas ofensivas dos visitantes através de remates após canto de Ferro, jogada individual de Nuno Tavares e recarga de um livre direto de Pizzi, embora nenhum destes lances tenha levado real perigo para as redes adversárias.

Só aos 16 minutos é que se verificou uma verdadeira ocasião digna de destaque quando Taarabt pegou na bola no meio campo e driblou até perto da grande área do Rio Ave, onde passou para Dyego Sousa que, após penetrar na área, rematou à malha lateral.

Dez minutos depois, no primeiro remate efetuado, o emblema de Vila do Conde conseguiu inaugurar o marcador. Num livre batido pela direita, Nuno Santos cruzou para a área encarnada, na qual Dyego Sousa, na tentativa de cortar a bola, acabou por cabeceá-la para Taremi que, também ele de cabeça, encostou para o fundo da baliza.

Pouco depois, as águias tentaram responder. Nuno Tavares cruzou para a área, mas o cabeceamento do ponta de lança luso-brasileiro saiu ao lado e, à semelhança de quase todos remates do Benfica na primeira parte, não constituiu uma grande ameaça para Kieszek.

Aos 35 minutos, os verdes e brancos até podiam ter aumentado a sua vantagem. Nuno Santos subiu pela ala esquerda e cruzou rasteiro para Taremi que, completamente isolado, só não voltou a marcar porque o seu remate foi desviado por Nuno Tavares.

A primeira metade terminou em polémica. Após passar por dois defesas de forma notável, Taarabt cruzou rasteiro para Rafa que bateu o guardião polaco. Contudo, antes de a bola chegar ao extremo português, Dyego Sousa, que estava em posição irregular, ficou a centímetros de desviar a mesma e, por isso, o golo foi invalidado.

Foi uma primeira parte muito pobre. Nenhuma das equipas apontou uma boa exibição, registaram-se poucas ocasiões de golo e o ritmo de jogo foi muito lento.

Bruno Lage apostou em Seferovic para o lugar de Dyego Sousa para o segundo tempo e este esteve muito perto de empatar a partida logo no início da segunda metade. Na resposta a um livre batido por Pizzi para o coração da área, o suíço cabeceou à trave.

O primeiro e último remate dos anfitriões na segunda parte surgiu no 60º minuto. Al Musrati apareceu ao segundo poste, mas a sua tentativa passou muito longe. Logo de seguida, após bom entendimento coletivo, Rafa surgiu na cara de Kieszek, que fez bem a mancha.

Aos 62 minutos, Al Musrati acabou expulso. Após receber o primeiro amarelo aos 15 minutos por falta sobre Pizzi na entrada da área, o líbio levou segunda cartolina por impedir um contra ataque perigoso ao derrubar Rafa.

Dois minutos depois, o Benfica reestabeleceu a igualdade. Nuno Tavares tabelou com Gabriel e cruzou para a pequena área, onde Seferovic só teve de encostar para fazer as redes abanar.

À passagem do minuto 73, o Rio Ave acabou reduzido a nove homens. Nuno Santos cometeu uma entrada muito dura e imprudente sobre Pizzi, atingindo de sola o braço do português e recebendo, inicialmente, o amarelo e, após intervenção do VAR, viu vermelho direto.

Depois de Vinícius, assistido por Chiquinho – substituíram Taarabt e Gabriel aos 62 e 80 minutos, respetivamente – ter cabeceado para o encaixe de Kieszek, e de Seferovic, novamente em resposta a cruzamento de Nuno Tavares, ter falhado o alvo de excelente posição, os visitantes deram mesmo a volta ao marcador no minuto 87. Pizzi bateu um canto, Weigl saltou mais alto que todos e enviou a bola ao ângulo direito da baliza, estreando-se a marcar de águia ao peito.

Depois de uma primeira parte onde, apesar de se ter superiorizado ao Rio Ave, voltou a apresentar um jogo com pouca qualidade, o conjunto lisboeta melhorou ligeiramente no segundo tempo, – em grande parte devido à vantagem numérica – impedindo o adversário de criar perigo e chegando mais vezes à baliza dos vilacondenses.

Deste modo, o Benfica conseguiu assegurar os três pontos, algo que não tinha acontecido nos últimos cinco jogos, e juntar-se ao Porto na liderança do campeonato, embora os dragões tenham vantagem no confronto direto.

 

Fonte da Imagem: Twitter Liga Portugal

Simão Vitorino

Nasci e cresci em Vila Franca de Xira e estou atualmente a tirar uma licenciatura em Ciências da Comunicação na faculdade NOVA FCSH com o objetivo de me tornar jornalista desportivo no futuro, profissão que une duas grandes paixões minhas - o futebol e a escrita.