Espanha 1-5 Holanda: Uma magia de um jogo que nunca vai passar despercebida

Na rubrica “Históricos” desta semana recordamos um dos mais icónicos jogos da fase de grupos do Mundial de 2014, que pôs frente a frente Espanha, na altura detentora do título, e Holanda. Foram seis os golos marcados neste jogo, e muita magia espalhada em campo. Lembra-se deste duelo?

Primeiro jogo do Grupo B do Mundial do Brasil em 2014. Estavam frente a frente os dois finalistas da edição anterior da competição. Sem dúvida este era um jogo para a Holanda se vingar depois da derrota na final em 2010 na África do Sul. Eram vários os craques que iam entrar em campo dos dois lados. No lado do campeão tínhamos jogadores maestro e experientes como Xavi, Iniesta e Xabi Alonso. Do lado dos vice-campeões também haviam muitos craques que davam que falar, como Van Persie, Robben e Sneijder.

Estava tudo a postos para começar a partida em Salvador e o árbitro apitava para o início do jogo. Os adeptos estavam fervorosos e o ambiente no estádio era incrível.

Mal começou a Holanda mostrou que não estava para brincadeiras e logo aos sete minutos Sneijder esteve perto do golo, mas Casillas estava atento. Contudo, logo a seguir aos 10 minutos, Iniesta também ameaçou fora de área, mas o remate saiu por cima. Passados 15 minutos, Diego Costa começou o pesadelo dos rapazes dos Países Baixos. Stefan de Vrij entra de carrinho sobre o avançado e comete grande penalidade. O avançado não desperdiçou e fez o 1-0.

O jogo não estava fácil para Van Persie e companhia e aos 42 minutos o coração dos mesmos acelerou ainda mais. David Silva teve a oportunidade de matar a primeira parte na cara de Cillessen, mas o chapéu saiu ao lado. No entanto, e como diz o ditado “quem não marca sofre”, Van Persie marcou um dos golos que marcou o Mundial desse ano. Quem não se lembra do cabeceamento do avançado holândes? Parecia que o super homem estava em campo para marcar aquele golo. Estava feito o 1-1 e o árbitro mandava as equipas para os balneários. Estava tudo em aberto.

A verdade é que não se sabe o que é que van Gaal deu aos seus jogadores porque vieram com uma força incrível. Logo aos 53 minutos da segunda parte Robben fez o 2-1. O extremo trabalha bem sobre Piqué e mete a bola no fundo das redes. Logo a seguir Van Persie remata à barra, mas também estava fora de jogo. Aos 65 minutos a vida dos espanhóis ficava cada vez mais difícil. Stefan de Vrij fez o 3-1 de cabeça e redimiu-se da grande penalidade que tinha cometido na primeira parte para dar golo a Espanha.

Os na altura campeões do mundo ainda reduziram através de David Silva, mas o golo foi anulado por fora de jogo.Tudo parecia correr mal aos espanhóis e aos 73 minutos Casillas derramou e ofereceu o quarto golo à Holanda. Van Persie aproveitou o erro do guardião e bisou na partida. Passados sete minutos o pesadelo, que primeiramente estava apegado à Holanda, matou a Espanha. Robben sentou Casillas e com toda a calma do mundo bisou na partida.

Ainda houve duas ocasiões para fazer o sexto golo, mas a Holanda não soube aproveitar. Na verdade os espanhóis já pareciam ter desistido da partida.

O árbitro apitou para o fim do jogo e por um lado a Holanda começou o Mundial da melhor forma, mas por outro a Espanha começou da pior forma possível com uma derrota pesada. A Espanha acabou por ficar atrás e nem passar a fase de grupos e a Holanda perdeu nas meias-finais frente à Argentina nas grandes penalidades, mas acabou por conquistar o terceiro lugar do pódio frente ao anfitrião Brasil.

 

Fonte da imagem: Mais Futebol.

João Marques

Nasci nos Açores, mais propriamente na Ilha Terceira. Actualmente estou a estudar Ciências da Comunicação na NOVA FCSH. O desporto nasceu comigo e a paixão pelas letras já vem desde tenra idade.