Lembra-se de: os sadinos de Carvalhal

A época de 2007/08 foi, sem dúvida, histórica para o clube de Setúbal. O sexto lugar na Liga Portuguesa, as meias-finais da Taça de Portugal e a conquista da Taça da Liga foram feitos de uma temporada que muitos consideram ter sido a melhor de sempre para a formação sadina.

A “culpa” desta época magnífica, na minha opinião, é de Carlos Carvalhal. O técnico português, na altura com 42 anos, realiza a sua segunda passagem pelo clube de Setúbal, sendo a primeira em 2003/04. Já na primeira vez em Setúbal tinha deixado boas indicações, fez o clube subir de divisão e, desta forma, anos mais tarde, em 2007, os responsáveis do clube decidiram fechar contrato com o técnico, que havia sido despedido do seu anterior clube, o Beira-Mar, após a entrada de novos investidores, poucas semanas depois da sua chegada.

No plantel, os sadinos contavam com nomes como Eduardo na baliza, guarda-redes que posteriormente jogou no Braga e que chegou mesmo a ser o dono da baliza da seleção nacional; o defesa-central Hugo, ex- Sporting de Braga e Sporting Clube de Portugal; Auri, defesa brasileiro que realizou mais de 200 jogos com o emblema sadino; Sandro, médio cabo-verdiano, na altura capitão sadino que contou com mais de 300 partidas pelo clube; Elias e Bruno Gama, médios que tiveram curtas passagens pelo Porto em 2002 e 2005, respectivamente; Matheus, avançado cedido pelo Braga que mais tarde foi um jogador importante nos minhotos; Pitbul, avançado de serviço bem conhecido pelos Setubalenses e Edinho, que dispensa apresentações.

Na Primeira Liga, o sexto lugar alcançado valeu aos sadinos um lugar na Taça UEFA na próxima época, logo pela primeira vez na história, iria haver competições europeias no Estádio do Bonfim. O empate a duas bolas em Alvalade frente ao Sporting, o empate no Bonfim frente aos encarnados, a vitória caseira frente aos leões e as duas vitórias contra o Sporting de Braga foram os pontos altos desta caminhada sadina na Liga.

Na Taça de Portugal, o Vitória de Setúbal eliminou o Operário da Lagoa, o União de Leiria, o Vitória de Guimarães e a Naval 1º de Maio e só ficou pelo caminho na meia-final, onde foi eliminado por 3-0 pelo Futebol Clube do Porto. Na outra Taça, a Taça da Liga, então denominada de Carlsberg Cup, o Vitória de Setúbal consegui vencer a competição, acabando desta forma por conquistar a primeira edição Carlsberg Cup. No Estádio do Algarve, após 90 minutos com um nulo no marcador, Sporting Clube de Portugal e Vitória de Setúbal foram a penáltis, Eduardo foi herói, defendendo três penalidades dos leões e entregou a Taça ao museu Sadino.

Alexandre Ribeiro

Nascido e criado na ilha Terceira, nascido e criado para o futebol. Desde cedo aprendi, vivi e vibrei com o desporto rei. A licenciar-me em Ciências da Comunicação na FCSH da Universidade Nova de Lisboa. Com o futebol e a escrita espero proporcionar um espectáculo fora das 4 linhas para todos aqueles que partilhem o gosto pela bola e pelos seus artistas.