Benfica marca três… mas não esperava quatro do Santa Clara

O SL Benfica recebeu o CD Santa Clara no encontro relativo à 28ª jornada da Liga NOS, numa partida arbitrada por João Pinheiro.

Bruno Lage deu a titularidade a: Vlachodimos, Nuno Tavares, Ferro, Rúben Dias, André Almeida, Pizzi, Julian Weigl, Gabriel, Rafa, Adel Tarabt e Seferovic.

João Henriques lançou Marco Pereira, Rafael Ramos, João Afonso, Fábio Cardoso, Zaidu Sanusi, Francisco Ramos, Anderson Carvalho, Rashid, Costinha, Thiago Santana, Carlos Junior.

Os encarnados tiveram uma entrada dominante na partida, com várias oportunidades flagrantes desperdiçadas, sendo castigados por um golo de Anderson Carvalho ao minuto 44, dando a vantagem aos açorianos no encerrar da primeira parte.

No segundo tempo, Bruno Lage lançou Carlos Vinícius e Zivkovic, conseguindo chegar ao golo do empate por Rafa Silva, assistido por André Almeida, no minuto 50.

Contra a maré do jogo, novamente a eficácia do Santa Clara prevaleceu, cabeceamente eficaz de Zaidu após canto de Rashid, colocando de novo a equipa visitante na vantagem ao minuto 57.

Saído do banco, o melhor marcador da liga, Carlos Vinícius colocou os encarnados na frente com dois golos em três minutos, dois cabeceamentos certeiros do brasileiro após cruzamentos de Pizzi e André Almeida ao minuto 63 e 65.

A partida estabilizou, contudo um lance polémico na área dos encarnados teve que ser decidido pelo VAR, dando grande penalidade a favor do Santa Clara, por mão na bola de Rúben Dias, que Crysan converteu ao minuto 82.

O desespero benfiquista de chegar à vantagem acabou por custar caro ao clube da Luz, sendo apanhados em desequilíbrio com facilidade para golo de Zé Manuel, assistido por Crysan, sentenciando o resultado final ao minuto 95.

Sete golos na Luz, resultado final 3-4 e o Benfica perde a chance de ganhar vantagem na luta pelo título, aguardando o resultado do FC Porto diante do Boavista na mesma jornada, enquanto que o Santa Clara conquista três pontos inesperados que colocam a equipa no oitavo lugar à condição.

José Horta

Não nasci a gostar de futebol, mas quando comecei nunca mais quis outra coisa. Algarvio de nascença mas adepto do futebol para além daquele que se joga na praia. Sempre atento aos contornos e novidades do "Desporto Rei", "Beautiful Game" ou lhe quiserem chamar. Aluno universitário de Ciências da Comunicação na FCSH.