Uma estreia de sonho e uma tragédia agravada

A jornada 33 da 1º Liga Portuguesa encerrou com a vitória encarnada sobre um Aves que tem experienciado dias de incerteza e preocupação, com salários em atraso, rescisões de contratos de jogadores e uma guerra aberta entre a direção do clube e a SAD.

Neste contexto, os primeiros sessenta segundos de jogo simbolizaram um dos episódios mais tristes e vergonhosos da história do futebol português. Após ter sido colocada como uma forte possibilidade a não aparição da equipa na penúltima jornada do campeonato, os jogadores do Aves permaneceram imóveis durante o primeiro minuto de jogo, como forma de protesto face ao ambiente instável que têm vivido nas últimas semanas.

A partir daqui, o restante da partida torna-se numa história completamente diferente, com um Benfica dominador e mais próximo dos níveis exibicionais que demonstrou durante a primeira metade da liga.

Logo aos quatro minutos da primeira parte, Rafa, a passe de Pizzi para as costas da defesa adversária, atirou para o fundo das redes.

Esta vantagem alcançada bastante cedo permitiu ao Benfica implementar um ritmo lento, mas suficiente para ser superior ao adversário.

A equipa de Nuno Manta Santos por vezes conseguiu pressionar a defesa encarnada, explorando as conhecidas debilidades dos comandados de Nélson Veríssimo, o que possibilitou algumas aproximações perigosas.

No começo do segundo tempo, viu-se um Benfica semelhante ao do início da partida, tanto muito que em pouco tempo Pizzi fez o segundo dos encarnados, através da cobrança de uma grande penaidade.

Com este golo, o médio tornou-se o melhor marcador do campeonato com 18 tiros certeiros, mais um do que o colega Carlos Vinícius e que Paulinho, do Sp. Braga. No total da época desportiva, Pizzi conta com 30 golos marcados e 17 assistências, fazendo desta a sua melhor época de sempre.

Viu-se uma equipa das “águias” muito mais pressionante e lúcida, com um ritmo de jogo mais intenso e capaz de criar diversas oportunidades de golo, isto face a um Aves desgastado, tanto a nível físico, como psicológico, incapaz de sair do seu meio-campo com a bola controlada.

Por fim, a partida ficou marcada pela estreia de sonho de Gonçalo Ramos. O jovem jogador benfiquista entrou a cinco minutos do final e num curto espaço de tempo bisou no encontro, colocando o resultado final em 0-4. Marcou pela quarta equipa esta época e na quinta competição, uma vez que representou os juniores, os sub-23, a equipa B e agora a equipa principal, demosntrando um grande potencial.

Com esta vitória tranquila, o Benfica ganha motivação para preparar o jogo da última jornada frente ao Sporting e o jogo da final da Taça de Portugal frente aos novos campeões nacionais, o FC Porto.

Já o Aves, há muito que sabe que vai disputar o segundo escalão do futebol português na próxima época. No entanto, nada justifica este aparente pesadelo sem fim que jogadores e adeptos enfrentam, resultando numa das maiores tragédias desportivas da história recente do nosso país.

 

Fonte da imagem:  SL Benfica (@SLBenfica)/Twitter